Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

29
Jun18

Um colo para Hana (Confiança – 13)

Publicado por Mil Razões...

Woman - PublicDomainPictures.jpg

Foto: Woman - PublicDomainPictures

 

Saíram de casa num dia de sol, mas ainda que chovesse não teriam ficado.

Eram um jovem casal e saíram, deixando tudo o que de material haviam conquistado naquela cidade. Deixaram para trás a casa que Hana herdara da tia-avó, e as mobílias escolhidas com detalhe na loja de móveis usados. Deixaram as molduras com fotografias da família, e os álbuns com tantas recordações felizes.

O despertar não foi difícil, já que a noite havia sido de sobressalto, como todas as anteriores em que ouviram disparos e bombas ao longe. Cada um deu-se a oportunidade de um duche demorado, com água bem quente, numa tentativa de garantir a alma aquecida para a viagem.

Naquela manhã rezaram juntos, como sempre, mas desta vez com uma noção mais real da total entrega à providência divina.

O pequeno-almoço foi simples e salgado pelas lágrimas que não puderam conter. A comida que sobrou do jantar foi colocada num saco, onde Hana juntou duas canecas de latão e dois garfos.

Reviram a lista das coisas que não podiam deixar esquecidas, e cada um confirmou a mochila do outro, para que se sentissem mais confiantes ao fechar a porta.

Abraçaram-se com a certeza de quem sabe que tem Deus, limparam as lágrimas que insistiam em cair, e saíram com as mãos dadas.

Não. Não saíram. Fugiram.

Fugiram da guerra e de uma morte certa em data incerta. Fugiram dos sonhos desfeitos, com a certeza de que novos nasceriam, numa qualquer terra onde existisse paz.

Foi uma fuga sincronizada em duas velocidades diferentes: por um lado o coração, que voava quilómetros a cada minuto, na ânsia de chegar a um porto seguro a cada final do dia; e por outro os passos físicos, dos pés doridos e cansados.

Ademir e Hana seguiram em filas intermináveis de homens e mulheres de olhos postos no chão, salpicadas por crianças que, na sua inocência, brincavam sem se importarem com a distância cada vez maior das suas casas. Ademir e Hana decidiram não se preocupar com a casa que deixaram arrumada e com a porta bem trancada, na esperança de ali regressarem mais cedo ou mais tarde. Prometeram um ao outro que a casa seria sempre onde estivessem juntos. E assim a cada noite, fosse debaixo de chuva, vento, ou um céu estrelado, sentiam o conforto do lar quando abriam a bíblia e rezavam – umas vezes com palavras, outras com o silêncio do olhar que se inundava.

A bíblia e o crucifixo encabeçaram a lista dos indispensáveis, mas foram as últimas coisas que Ademir colocara na mochila, no dia em que deixaram Alepo. E foi intencional, pois sabia que tê-los sempre à mão lhe dava a segurança necessária e um incentivo adicional, quando as forças físicas fraquejassem.

 

 

- Mãe, os teus amigos devem ter sofrido muito!

- É por isso que te digo tantas vezes que tens de relativizar os teus problemas, Mariana!

- Eles demoraram quanto tempo a conseguir chegar aqui? No artigo que estás a escrever para a revista também vais explicar essa parte?

- A Hana não acha importante falar sobre quanto tempo levaram, mas ela costuma dizer que foi um tempo pensado por Deus, enquanto pôde aconchegá-los a cada noite no Seu colo...

 

HTR

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    ...bem me parece...

  • alguém

    " há duas razões para não termos confiança nas pes...

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde