Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

09
Set15

Múltiplos caminhos (Consciência – 11)

Publicado por Mil Razões...

AggressiveDevil-PetrKratochvil.jpg

Foto: Aggressive Devil – Petr Kratochvil

 

O que é a consciência? Que voz é esta que nos sussurra bem baixinho o que devemos ou não fazer? Devemos ouvi-la? Devemos agir segundo algo que não conhecemos ou que não sabemos explicar?

Consciência é a voz imaginária que habita o interior de cada um de nós. Explicá-la, com exatidão, é um desafio com que nos deparamos sempre que tentamos arranjar uma resposta lógica para este impulso que nos leva a agir de determinada forma.

Todos nós sabemos praticar boas ações… mas teremos sempre pensamentos bons? Pensamentos maus… quem os não teve em algum momento… mas tal não obriga a que estes sejam transcritos para más ações.

Podemos ver a consciência como uma avaliação moral que fazemos de algo, sem sequer nos darmos conta de que o estamos a fazer. É uma capacidade natural de perceber, em cada situação, o que se afigura como certo, prioritário e em que medida devemos agir.

É a nossa consciência que nos leva a dar conta do que devemos fazer… e repito, do que devemos mas que nem sempre seguimos. A decisão surge depois… surge após escolhermos seguir ou não o juízo criado pela nossa consciência. É no seguir ou não esta voz, este caminho traçado pelas premissas do que está certo ou errado, que nós próprios deslindamos o nosso destino e daqueles que nos rodeiam.

Em variados momentos, muitos são aqueles que lutam, sem que de tal se apercebam, contra esta voz que nos guia pelo caminho, que nos faz distinguir o bem do mal. Esquecem-se deste impulso e são guiados por ações negativas baseadas em preconceitos, legitimando a inferiorização dos outros e infligindo sofrimento.

Para a pessoa que cometeu algo que é errado, a voz de sua consciência é sempre uma chamada de atenção para as suas ações. É isto que nos distingue dos animais; eles não têm consciência do que fazem: não sabem se fizeram o bem ou o mal. O homem, pelo contrário, tem no seu interior uma voz que diz: “faz o bem, evita o mal”.

Apesar desta voz nascer connosco, a consciência precisa ser bem formada porque está sujeita às influências do meio que nos rodeia. Uma consciência bem formada é reta e verdadeira. Formula os seus julgamentos seguindo a razão, de acordo com princípios como a igualdade, a solidariedade e a justiça. É através do juízo criado pela nossa consciência que percebemos que somos todos iguais, independentemente da cor da pele, do estatuto social, do dinheiro que possuímos ou do sítio onde vivemos.

A educação da consciência é indispensável aos seres humanos submetidos a influências negativas. Muitas vezes são as circunstâncias da vida que levam a “abafar” a voz que nos indica o que está certo.

Esta voz que se ergue antes de qualquer ação tomada por nós, repete-se também após a tomada de decisão, para que possamos avaliar o caminho que escolhemos.

Que os vários caminhos e atalhos escolhidos por cada um de nós convirjam numa tomada de consciência coletiva… a do fazer o bem, a de acolher a diferença, a de não julgar, a da tolerância… a da igualdade.

 

P. Melo

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    ...bem me parece...

  • alguém

    " há duas razões para não termos confiança nas pes...

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde