Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

20
Ago14

Herança (Educação - 2)

Publicado por Mil Razões...

 

Ando “kitada”. Para todo o lado carrego um “kit” de princípios e regras que me definem e regem o meu comportamento e a minha relação com os outros. Ao afirmar que carrego um “kit”, não se entenda com isso que pretendo aliviar-me dele, pelo contrário, procuro nunca o perder de vista e ser fiel a esses princípios e regras. Alguma alteração ou cedência que processe, faço-o na convicção de os aperfeiçoar.

Sinto uma enorme gratidão, princípio que faz parte do meu “kit”, e quero homenagear os meus primeiros e principais educadores, a minha família. Gente simples, com tradições, que me deixaram em herança princípios de grande humanidade. Lá onde vivíamos, lembro-me de ouvir comentar a seriedade do meu avô, a capacidade de trabalho da minha avó, a amizade da minha mãe e o respeito dos meus tios. Os seus exemplos de vida foram o método mais simples, direto e eficaz de desempenhar o papel que lhes competia e que nunca se escusaram fazer: educar-me.

Nunca senti neles medo, dúvidas ou cansaço no desempenho dessa tarefa. Faziam-no sem ansiedade, com saber e segurança e por isso os seus ensinamentos não me sufocavam nem me oprimiam, davam-me confiança. Tudo se processava de uma forma tão natural que não me deixavam margem para dúvidas sobre a informação a reter. Educar era simples, era uma rotina que consistia em acompanhar e mostrar como se devia estar e fazer.

Não me traumatizaram as vezes repetidas em que me ensinaram a deixar o pão na mesa depois das refeições, sempre com a parte superior virada para cima, tapado com uma toalha muito própria para depois, e só depois, apagar a luz caso fosse noite. O que é que este exemplo insignificante valeu na minha formação pessoal? Aprendi com ele a respeitar. O pão, fundamental na alimentação de então, era produto de um trabalho cheio de sacrifícios, por isso, havia que valorizar e cultivar o sentimento de estima por algo conseguido e por alguém que o conseguiu. Eu compreendia esse ritual e aprendi a respeitá-lo. E o respeito pelas pessoas e pelas coisas que o merecem é outro dos princípios, muito importante, que meti e transporto no meu “kit”.

Nunca questionei porque é que à mesa o meu avô era servido sempre em primeiro lugar e porque lhe era dado o melhor que havia, ainda que ele não o comesse sozinho e repartisse com todos. Com isso, aprendi a partilhar e a hierarquizar.

Eram solidários, apesar de não conhecerem a palavra solidariedade - é uma palavra jovem, mas mostraram-me que os mais desfavorecidos e debilitados não precisam da nossa arrogância mas da nossa bondade e que a miséria humana não é uma condição mas uma circunstância que devemos ajudar a resolver. Eles assim o faziam.

Ensinaram-me uma vez e hoje ainda pratico o pequeno gesto de me desviar ou descer o passeio quando me cruzo com alguém de idade avançada ou com mais dificuldade em se movimentar do que eu, facilitando-lhe a passagem.

São muitos os exemplos que guardo, não conseguiria enumerá-los a todos mas a ideia que quero passar, e que retenho também para mim, é que eu não seria a pessoa que sou hoje se não tivesse essas referências.

A melhor maneira de lhes mostrar a minha gratidão por tudo e tanto que me ensinaram é empenhar-me em passar ao meu filho o “kit” que herdei. Enche-me de alegria saber que ele valoriza este legado.

Ainda que não partilhem desta minha visão sobre educar terão que respeitá-la, porque assim mandam as regras da boa educação.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Recomendamos | Filmes

 

 

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eu tenho certesa que sinto isso quando penso na Mi...

  • Anónimo

    Confio também em Deus e sei que ele tudo pode faze...

  • Anónimo

    Quando uma pena descreveuma prece rumo ao Céu,ao s...

  • Teresa Teixeira

    Pois. Há sempre um modo de disfarçar cicatrizes, o...

  • Teresa Teixeira

    Beijinhos para quem quer que seja - que me conheça...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde