Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

12
Jun15

Custe o que custar (Dinheiro – 12)

Publicado por Mil Razões...

PinkPiggyBank-GeorgeHodan.jpg

 Foto: Pink Piggy Bank – George Hodan

 

Dinheiro, cifrão, vil metal. O diabo, a perdição, a bolsa de oxigénio ou tranquilidade financeira. Ganância ou medo. Perder ou ganhar.

Cada pessoa terá uma vivência muito particular em relação ao dinheiro. O que é que tu pensas sobre dinheiro? O que pensas sobre ter ou não dinheiro? O que sentes quando pensas em dinheiro? Qual a reação do teu corpo quando pensas em dinheiro? Certamente a tua resposta difere consoante a experiência que estejas a ter no momento com essa tão importante energia. Se estiveres a receber uma bela quantia, talvez te sintas feliz, satisfeito e seguro. Se gastares o pouco que possas ter, talvez te sentiras ansioso, preocupado ou magoado. Isto significa que a experiência de lidar com dinheiro é muito emocional e, por isso, pessoal, pois a maior parte das pessoas não é racional quando lida com questões financeiras e essa é uma vivência que mexe profundamente com as emoções. Se me roubam, vivencio uma emoção muito forte, negativa, pois sinto-me traída, invadida, abusada. Se ajudo financeiramente alguém, uma causa ou instituição, experimento emoções muito positivas, porque estou a contribuir para um mundo melhor ou estou a ajudar a aliviar o sofrimento, sinto-me uma pessoa bondosa e fico, assim, com uma boa autoestima. Mas, em abono da verdade, o dinheiro é neutro. Ele não é nem bom, nem mau. Portanto, a relação que estabeleço com ele é uma fonte riquíssima de informação pessoal, ajudando a construir uma identidade mais real de quem, de facto, sou. Sou confiante? Sou insegura? O valor que atribuo a mim mesma é proporcional ao meu saldo bancário? Alimento autoculpa, pois acho que, por algum motivo, não sou merecedora da vida equilibrada e feliz que o bem-estar financeiro proporciona? Tenho coragem para utilizar as minhas forças de modo a criar mais valor no mundo, inclusive financeiro? Faço, profissionalmente, aquilo que me realiza e faz feliz? Sou madura emocionalmente ao lidar com diferentes pessoas e desafios? A minha relação com o dinheiro é saudável? Sei dar, mas sei, igualmente, receber? Sou obcecada ou vivo preocupada, aprisionando-me cada vez mais numa miríade de emoções e pensamentos desgastantes, quer tenha muito, quer tenha pouco? E, por último, vejo a importância de construir a independência financeira, que dar-me-á liberdade mas, sobretudo, apaziguamento mental e emocional, responsabilizando-me, totalmente, pelo meu futuro?

Não sejamos franciscanos nesta matéria, pois o dinheiro permite-nos ampliar os nossos recursos culturais e desenvolver variadas competências importantes no nosso caminho para uma maior autonomia, e também para trazermos mais prosperidade à vida de outros.

Nem todos os preços que pagamos, valem a pena. Alguns até prejudicarão mais a nós e aos outros do que beneficiarão, se não prestarmos atenção e refletirmos com muita sapiência sobre as consequências futuras que implicarão as nossas decisões.

Mas a conquista da autossuficência, autonomia, liberdade e tranquilidade não tem preço. Custe o que custar.

 

Marta Silva

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

  • Anónimo

    Socorro-me da sabedoria popular : cautelas e caldo...

  • Anónimo

    A estátua da Confiança está sempre de braços parti...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde