Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

03
Jun16

Todos temos algo para dar e receber (Dar e receber - 9)

Publicado por Mil Razões...

GiveAndTake-GerdAltmann.jpg

Foto: Give And Take – Gerd Altmann

 

Gosto de dar, mas também gosto de receber, isso não posso esconder. Aliás, parece ser comum a toda a gente: dar e receber. Uma coisa implica a outra, convenhamos. Exemplo mais paradigmático ocorre na partilha de afetos, em que se dá o melhor para receber elogios, dá-se o que se tem para receber reconhecimento, dá-se carinho para receber afeição e amor para receber amor. A própria amizade é um contínuo dar e receber para uma realização plena. A máxima da vida será sempre no sentido de dar e receber, o que não raras vezes encerra algo de negativo e egoístico nessa relação de troca, principalmente, quando nela predomina uma ideia calculista. O ato nobre, sublime e generoso, consistirá em dar sem esperar receber o que quer que seja em troca. Deve, pois ser, incondicional, o que, por paradoxal que pareça, nunca fecha as portas para se receber sem ser necessário retribuir. Mesmo aqueles que se destacam pela sua enorme generosidade, poucos infelizmente, nesta fria e calculista sociedade em que atualmente vivemos, que tudo dão de si na vida, para realização de um ideal altruísta e humanitário, recebem sempre algo no seu espaço interior, no íntimo do seu ser, sentem a graça e a satisfação de verem os seus semelhantes felizes. Enfim, na vida, como se vê, há sempre um dar e receber, uma relação de troca, em que cada um de nós, sem esperar nada em troca, deve sentir sempre a obrigação de dar o melhor que possui dentro de si.          

 

José Azevedo

 

01
Jun16

É por aí o caminho? (Dar e receber – 8)

Publicado por Mil Razões...

Freedom-LivrariaAdventista.jpg

Foto: Freedom – Livraria Adventista

 

Faz-me qualquer coisa. Sentir. Preciso de sentir alguma coisa. Sentir-me. Sentir-te. Procurar-me, encontrar-me? Procurar-te, encontrar-te? Sentir quem tu és. Sentir quem eu sou. Consegues perceber o que quero sentir? Talvez ninguém perceba o desatino que vai dentro de mim. Melhor assim.

 

Deambulo entre o aqui e o ali, entre o agora e o que já foi. Não o meu corpo físico, é mais a minha desassossegada mente que anda por cá e por lá. Que tropeça entre contraditórios momentos, sentimentos e pessoas.

Quero evitá-los. A tudo, a todos. A ti? Quero evitar-te a ti. Desapegar-me, largar as amarras que me prendem nem sei bem a quem.

 

- Alguma vez te conheci?

 

Gostava de aprender a não ter expetativas em relação a nada nem a ninguém. Gostava de aprender a não cobrar nada ao outro. A leveza em estado puro.

 

- Onde andas tu para me ensinar?

 

Gostava de aprender a desistir de pedir o que quer que seja. Por talvez não saber bem o que isso é ou o que pode ser. É, com certeza, uma outra coisa qualquer, diferente daquela que foi ontem. Uma sucessão de coisas: queremos isto, o isto transforma-se naquilo, que passa imediatamente a aqueloutro.

Se, pelo contrário, aprendesse a não pedir nada, aprenderia a receber aquilo que alguém achasse que devo receber. Uma nova perspetiva do outro? Uma nova perspetiva de mim?

 

Descobrir-me. Encontrar-me. Descobrir-te. Encontrar-te. É por aí o caminho?

 

Sandra Sousa

 

Pág. 2/2

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    ...bem me parece...

  • alguém

    " há duas razões para não termos confiança nas pes...

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde