Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

16
Mai14

Saudade (Luto – 1)

Publicado por Mil Razões...

 

Num momento em que a vida parece parar, aparece alguém a dizer-nos que “a vida continua”. Meu Deus, como é possível a vida continuar! Nesse momento tudo acontece sem que se perceba o que está a acontecer. Temos a certeza absoluta que está a acontecer a coisa mais horrível do mundo; é um sentimento de perda tão grande que não é possível mensurar nem, tão pouco, dar-lhe um significado! A presença das pessoas é tão importante!; digo: “presença”; uma presença carregada de mensagens, mas silenciosa. O silêncio faz tanta falta e tanto sentido! Não é necessário mais nada! A “anestesia”, a que algumas pessoas são sujeitas, nem sempre protege do sofrimento. O sofrimento faz parte… o percurso para reaprender a viver vai ser aquele que cada um encontra e precisa; aquele que permitirá recordar com saudade embora, em determinadas alturas, a saudade torne as cenas tão nítidas e tão verdadeiras, que se torna angustiante… mas faz parte! O caminho não é fácil de fazer. A reposição, a reestabilização e muitas palavras iniciadas por “re” vão acompanhar-nos diariamente. Onde vamos buscar a “força”? Vamos encontrá-la em nós e nos outros e também na pessoa que nos deixou. Não sei muito bem como, mas isto acontece… a força não se compra! Saudade – palavra portuguesa que não sabemos definir… tenho vindo a referir-me a ela… à saudade de pessoas mortas. E as pessoas vivas? Temos saudades de pessoas vivas? Existe o luto de pessoas vivas?  Talvez. Como se consegue fazer este luto? Existem palavras a acrescentar: desilusão e desencanto. Desilusão e desencanto, porque acreditávamos que aquela pessoa era tudo para nós; porque acreditávamos que aquela pessoa seria sempre o nosso “aconchego”; porque acreditávamos que aquela pessoa estava lá quando precisávamos e; porque acreditávamos que aquela pessoa se assemelhava muito à nossa forma de estar na vida. A dado momento, o mundo cai em cima de nós… foge-nos o chão… não é possível… como pode ser? Mas é! Inicialmente aparece a desilusão e o desencanto e, sem pensarmos muito, cai sobre nós um sentimento de perda incontrolável. Ficámos confusos… perturbados… faz-se luto de pessoas vivas? Agora digo “talvez”, com maior certeza! É difícil? Também penso que talvez seja… causa sofrimento! É um processo longo? Parece ser um processo difícil. O processo é igual ao de pessoas mortas? Não arrisco responder! Situações de perda são sempre perturbadoras e, às vezes, a saudade é MESMO MUITO ANGUSTIANTE! Pessoas vivas; pessoas mortas… as pessoas mortas estão longe; as pessoas vivas passam tantas vezes ao nosso lado!!! Como se faz quando as pessoas, pelas quais sentimos perda, passam tantas vezes ao nosso lado, vivas? Também não arrisco responder! Reaprender; rever; revisitar e; reintegrar são palavras constantes no processo de gestão da perda. Os recursos internos e externos de cada um de nós também têm de ser reestruturados (mais uma palavra com “re”…) e revisitados. A vida, depois de uma perda, é uma VIDA COM SAUDADE! O caminho faz-se; “a vida continua” mas, p.f., não me digam que “a vida continua” quando eu não consigo perceber o que está a acontecer!

 

Ermelinda Macedo

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Recomendamos | Filmes

 

 

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eu tenho certesa que sinto isso quando penso na Mi...

  • Anónimo

    Confio também em Deus e sei que ele tudo pode faze...

  • Anónimo

    Quando uma pena descreveuma prece rumo ao Céu,ao s...

  • Teresa Teixeira

    Pois. Há sempre um modo de disfarçar cicatrizes, o...

  • Teresa Teixeira

    Beijinhos para quem quer que seja - que me conheça...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde