Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

08
Abr14

A “cabana” (Infância – 4)

Publicado por Mil Razões...

 

De cobertor, paus e outros objetos para a brincadeira na mão, saltávamos pedras e riachos para chegar à árvore que tanto desejávamos. Com muito engenho e imaginação construíamos a “cabana”. Era o nosso espaço improvisado. Ali, ficávamos com os outros objetos para a brincadeira, inventávamos e encenávamos histórias, e fazíamos joguinhos improvisados. Era o nosso refúgio e o local das nossas brincadeiras. Quando o dia começava a cair, sabíamos que os nossos pais não nos perdoavam: desmontávamos a “cabana”, voltávamos a carregar o cobertor, os paus e outros objetos para a brincadeira e, saltando pedras e riachos, voltávamos a casa. Em casa eramos alvo de um questionamento que, neste momento, para mim, faz sentido. Nessa altura não percebia bem porque se preocupavam com tanta intensidade; afinal só tínhamos construído uma “cabana” e com tanta felicidade, meu Deus! Respondíamos a todas as perguntas sem que a mentira aparecesse nas palavras. Éramos felizes… crianças felizes com brincadeiras que, nessa altura, exigiam algumas competências e algum esforço. Era preciso esforço para brincar, mas esse esforço trouxe-nos, com certeza, uma forma de estar na vida diferente. Vejamos: a cabana e a televisão; a cabana e a playstation e; a cabana e o (mau) uso da Internet… o que nos parece melhor? Eu não sei! Sei que, no contexto atual, o uso da televisão, da playstation e da Internet é alvo de muita análise, reflexão e discussão. Sobre os benefícios e malefícios da construção da “cabana” nunca ouvi falar. Nunca fiquei dependente dela, nunca me aborreceu, permitia manter as minhas relações de amizade e proporcionava o desenvolvimento da minha imaginação. Não sei porque a construíamos, dado que poderíamos fazer o mesmo sem ela. Talvez o fizéssemos porque fazia frio a maioria dos dias… talvez fosse essa a razão. Demorávamos algum tempo a construí-la, por isso, deveria existir um motivo importante. Hoje questiono-me porque deixámos a construção das “cabanas”. Porque é que as cabeças das nossas crianças estão mais “comodistas”, com todas as consequências negativas que esse facto traz para a saúde mental e física das nossas crianças? Porque não lhes ensinamos a construir “cabanas”? Porque não lhes ensinamos a escolher os objetos para as brincadeiras? Estamos também “comodistas”, ou já esquecemos? Teremos muito trabalho, o que nos permite não ter tempo para esse ensino? (a falta de tempo ajuda-nos sempre a desculpabilizar para não ensinarmos a construir “cabanas”). Teremos dificuldade em voltar ao tempo das “cabanas” ou não sabemos desconstruir as atuais práticas de “brincadeira” para passarmos a outras: às “cabanas”. Bem, a nós ninguém nos ensinou… pois, é verdade! Como não tínhamos a televisão, a Internet e a playstation, a nossa cabeça tinha de fazer algum esforço para brincar. Agora, as crianças brincam? Possivelmente, sim. Não brincam como nós brincávamos, disso eu tenho a certeza! Terá isto, consequências futuras? A minha interpretação diz que sim. Eu gostava muito das “cabanas”! Era muito feliz com elas! O resultado final fazia com que pensasse que era eficaz no que fazia… a minha autoestima melhorava… afinal, era capaz de construir uma “cabana”! O frio diluía-se com a presença dos meus amigos e com as brincadeiras que inventávamos. O significado que isto tinha! Será que posso agradecer ao frio, à montanha, aos meus pais, que me deixavam construir a “cabana”, ou a mim mesma, que gostava de o fazer? Sei apenas que terei de agradecer a alguém, porque a construção da “cabana” ensinou-me tanta coisa! Ajudou a construir-me com esforço individual. A “cabana” é apenas um exemplo!

 

Ermelinda Macedo

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    No tempo que é sempre o mesmo, o partir e chegar é...

  • Anónimo

    Diante da morte, diante de um suicida perante a mo...

  • S.

    Há o silêncio da sombra de duas pessoas falando.....

  • Alexandra Vaz

    Um abraço, de alma cheia. Beijinhos, Teresa.

  • Teresa Teixeira

    Sei tão bem disso. Sim, que escrever cura. Mesmo a...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde