Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

23
Jul13

Férias, porquê? (Férias – 7)

Publicado por Mil Razões...

 

Essa indagação leva-nos a deduzir que as férias têm também um sentido de recompensa a algo obtido, alcançado ou conquistado, sendo um prémio atribuído com meritocracia e mediante critérios declarados a um vencedor. Os outros, entenda-se os não vencedores, também merecem um prémio de participação dos quais os perdedores conformados (os que aceitaram e digeriram a derrota) são os maiores premiados pelo exercício de autocrítica e reflexão em torno das causas do insucesso e previsão da época seguinte. As férias conquistadas são assim regozijantes que as férias cedidas ou impostas por Lei, calendário ou história.

Na tentativa de classificar as férias com recurso a dois critérios, são eles o tempo ou duração e o contexto ou natureza, permite-me nomeá-las em temporais ou perpétuas, e profissionais ou sociais, designadamente. A sua combinação resulta na designação de férias mais ou menos breves, conjugadas com a razão de sua ocorrência, do que resulta numa matriz de quatro campos. O domínio desta matriz, ainda que intuitivamente, é crucial para o planeamento de sua execução.

Entretanto, se as férias em termos de duração tornam-se extensas, geram o efeito maldição da abundância, que reflete na sua essência um paradoxo. Em sentido oposto, as férias quando tornam-se variáveis económicas funcionam num sistema de restritivo, elevando a racionalização do seu uso e consequente aumento ou melhoria de produtividade. O comportamente humano contribui para o efeito: não raras vezes as férias animam no fim, ou então 10 dias úteis de férias sabem melhor que 30 dias de calenário.

Voltando à pergunta de partida, e cingindo-me na sua essência, a sua enunciação e sentido crítico conferem uma avaliação profunda da atuação dos diversos agentes no pleno exercício de sua atividade. Existirá alguma racionalidade suprema de atribuição de férias relacionada com o desempenho de alguma atividade. É inegável a sua existência, porém, questionável a sua ocorrência num tempo e espaço específico.

No plano de avaliação do resultado das férias contam-se o custo (sacrifício de recursos a para sua realização) e benefício (recompensa obtida dos resultados almejados) e respetivo resultado (valor). A análise do valor das férias é uma técnica que permite avaliar a eficácia e eficiência do valor obtido pela ocorrência de férias, que resulta da comparação entre os custos e os benefícios. A sua validade consciente permite-nos proceder ao balanço das férias como um indicador dinâmico (efeito alavancagem) para o desempenho no exercício seguinte, se considerarmos as férias como um momento de transicção de uma época para a outra.

As férias conquistam-se e fazem-se por merecer. Um dos pressupostos para o gozo de férias plenas e conscientes é saber lidar com os meios e tecnologias de comunicação e informação, por um lado, e com o equilíbrio emocional e autoconsciência, por outro. O equilíbrio entre ambos é uma inequação, enquanto os meios de comunicação e informação permitem mantermo-nos informados das ocorrências de nosso interesse, a autoconsciência atua como julgador em busca de uma razão consciente dos nossos atos diretos e indiretos face as ocorrências captadas e retratadas pelas TIC (tecnologias de informação e comunicação), bem como aqueles outros estímulos (verdades inconsoláveis) que os radares das TIC dificilmente conseguem fazer leitura e retrato fiel.

 

António Sendi (articulista convidado)


Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Recomendamos | Filmes

 

 

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eu tenho certesa que sinto isso quando penso na Mi...

  • Anónimo

    Confio também em Deus e sei que ele tudo pode faze...

  • Anónimo

    Quando uma pena descreveuma prece rumo ao Céu,ao s...

  • Teresa Teixeira

    Pois. Há sempre um modo de disfarçar cicatrizes, o...

  • Teresa Teixeira

    Beijinhos para quem quer que seja - que me conheça...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde