Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

02
Nov12

A visão (Sonhos – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

O sonho parte de uma presunção, ainda que desenquadrada, daquilo que se pretende que seja o futuro. Exige a definição de objetivos, que são o seu suporte, e uma estratégia que indica o meio para se atingir tal estado. Os objetivos devem ser SMART, salientando-se atributos tais como alcançáveis, mensuráveis (quantificáveis), realísticos e estimuladores.

Todo o ser humano tem sonho ou sonhos, esse é o ponto de partida. A dormir ou acordado, de dia ou de noite, com maior ou menor conforto, nesses sonhos visualiza-se a chave dos problemas, preocupações e desafios com que nos debatemos no quotidiano. Para imortalizar os sonhos deve-se, naquele instante, registar tais factos preferencialmente por escrito, para posterior amadurecimento e alinhamento à situação real.

O sonho é mais parecido a desejo do que a necessidade, pois ele encontra-se num patamar acima de uma simples necessidade fisiológica. O sonho espelha, assim, a forma como gostaríamos de concretizar as nossas metas ou maiores desejos.

Será que o sonho se trespassa? Não! Porque ele possui uma elevada dose de energia emocional e de originalidade, portanto, os sonhos de duas ou mais pessoas podem cruzar-se mas dificilmente aleitam-se sobre a mesma direção retilínea ou curvilínea. E diga-se, quanto maior o número de pessoas sonhadoras mais complexa será a harmonização ou idealização de um sonho coletivo.

Como, então, é que sonhos dísteros e até ambíguos podem coexistir sem colidir? Pela necessita de aceitação das diferenças humanas, liberdades de direitos fundamentais e intrínsecos à natureza humana, os sonhos podem enxertar-se sem desperdiçarem a sua raíz. Imbuídos pelo espírito da tolerância, grupos de pessoas podem edificar uma teia de sonhos não conflituantes, mas sim complementares e até suplementares - princípio da concórdia.

O sonho deriva de um contexto hegemónico intra e externo a cada ser, carregando em si diferentes facetas heterogéneas. A nível micro assemelha-se a uma célula, e no sentido macro a um tecido. Podemos assumir determinado sonho mais proeminente que o outro sob o ponto de vista de impacto ou resultado imediato com maior ou menos objetividade, porém um sonho relegado não torna-se necessariamente inválido.

Os sonhos modificam-se com o andar do tempo tal como ocorre com a ortografia, um dos traços da personalidade. Querendo sistematizar uma possível hierarquia de sonhos sequenciados através de um mecanismo de seleção natural similar a um filtro, resultaria no topo - primeiro nível - o sonho potencial, seguido do sonho provável, no terceiro nível o sonho real a antecer o resultado, em último nível, que por sua vez retroalimenta o sonho potencial.

Por fim os sonhos sustentam-se pela esperança, sacríficio e fé. A desistência de determinado sonho é prova inequívoca de que tratava-se, antes, de um objetivo intermédio (meio) e não propriamente um fim desejado.

 

António Sendi (articulista convidado)


Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    eis o ponto ...belíssimo.E.J.

  • Anónimo

    ...*dessa opinião.Teresa Teixeira

  • Anónimo

    Partilho, inteiramente, essa opinião: aos olhos do...

  • Anónimo

    Tão... demolidor de pequena tristezas e de grandes...

  • Anónimo

    ...bem me parece...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde