Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

29
Abr11

Cronologia das idades maiores (Idade Maior – 9)

Publicado por Mil Razões...

 

Não considero que existam verdadeiramente idades maiores e menores. Acredito em idades comparativas, sujeitas ao escrutínio do tempo, que é universalmente igual para todos. 34 anos no meu cartão de cidadão serão iguais aos 34 anos de outra pessoa qualquer.  Contudo, facilmente se compreende que os meus 34 anos não serão em nada iguais aos de outra pessoa. Porque são os meus...

 

Passado

A minha primeira idade maior foi quando nasceu o meu irmão. De repente tornei-me no mais velho, logo, o maior. Depois tive outra idade maior quando entrei para a pré-primária. Já era “grande” o suficiente para ir para a escola e tomar contacto com as primeiras situações extra-casa dos avós e carinho dos mesmos. Quando dei por ela, surge outra idade maior, ou seja, a entrada na 1ª classe e a responsabilidade das aulas “a sério”. Seguiu-se a idade maior do ciclo, a do liceu e aquela que terá tanto de fantástico como de terrível... a escolha do curso que nos transformará noutra pessoa que terá obrigações importantíssimas, não só para a família, mas agora também para a sociedade. Claro que pelo meio existiram outras idades maiores, como a idade maior para receber uma mesada, a idade maior para começar a fazer o bigode, a idade maior para sair com os amigos, a idade maior para a carta de condução, a idade maior para votar, a idade maior para os primeiros beijos e a idade “muito maior” para a primeira experiência sexual. Aquela que será porventura a idade maior mais assustadora e desconhecida, a parentalidade, surgiu de forma inesperada e abrupta. Contrariamente, se calhar, à maioria dos casos, ela deu-se antes de outra idade maior muito importante, como é a do primeiro emprego. De repente parece que se esgotam as idades maiores e a vida estabiliza. Deixam de te tratar por tu e progressivamente dirigir-se-ão a ti por senhor...

 

Presente

Vivo numa idade maior que vai crescendo. Ou seja, hoje tenho 34 anos, filhos, emprego, responsabilidades. Lá para o final do ano terei exactamente a mesma coisa, mas com 35 anos.

 

Futuro

Tenho algumas ideias do que será a minha idade maior no futuro. À falta de uma palavra melhor, direi que a tranquilidade se apoderará de mim. Serei mais ponderado, calmo e olharei a vida certamente de outra forma. Começarei a dar importância a coisas que neste momento não têm, e começarei a menosprezar coisas que neste momento são muito importantes. Virá a idade maior da expectativa pelos sucessos profissionais e pessoais dos filhos, das dores nas costas ou noutro lado qualquer, a idade maior do exame à próstata, do colesterol e etc.. Virá a idade maior da revolta em relação à idade da reforma e ao valor da mesma. Em relação à juventude, barulhenta, rasca e incompreensível. A idade maior da ansiedade pelo nascimento de netos e, posteriormente, da ansiedade pela quantidade de anos que passarei com eles. Nessa altura, de pouco me importará por quantas idades maiores já terei passado. Gostaria contudo de poder dizer que fui o maior nessas idades.

 

Rui Duarte

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    ...bem me parece...

  • alguém

    " há duas razões para não termos confiança nas pes...

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde