Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

01
Fev11

Naquela noite (Reclusão – 9)

Publicado por Mil Razões...

 

Com passadas rápidas dirige-se para a porta, vai vestindo o casaco, despede-se gritando:

- Até logo!

Da cozinha, a mulher pede-lhe para aguardar um segundo e aparece com um embrulho numa mão e um saco na outra.

- Obrigada querida, ele vai apreciar.

- É apenas um pequeno gesto sem qualquer valor se comparado com o que ele fez por nós. Dá-lhe um abraço e não te esqueças de dizer que tenho pena de não ir, mas com a Matilde doente… Não posso deixá-la sozinha. Dá-lhe saudades da mãe mas não lhe fales dos resultados médicos, não o preocupes ainda mais.

- Sim querida, mais alguma recomendação?

Não há censura na pergunta. Ele, como ela, está muito reconhecido ao António; por mais que façam será sempre nada.

- Olha, fala-lhe do negócio, das encomendas que temos tido e que esperamos ansiosos o dia em que ele ocupará, de novo, o seu lugar na fábrica.

Maldita fábrica, praguejou ele, entre dentes, enquanto batia com a porta da rua. Por ela o seu irmão viu a vida interrompida, aos 20 anos.

O António é o mais novo dos cinco irmãos mas naquela fatídica noite provou que para ser homem não é preciso ter idade mas atitude.

 

Não era a primeira vez que, noite dentro, vinham do lado da fábrica ruídos estranhos, movimento de camiões. O pai dava o alerta e todos se dirigiam para lá. A chegada tardia apenas constatava mais um roubo. A única maneira de os impedir seria surpreendê-los.

- Malditos! Sempre quero ver a cara desses gatunos quando se depararem com uma comissão de recepção!

Organizaram-se, fizeram turnos, vigiaram noite após noite. Muitas noites. Nada! Os meliantes não apareciam, dir-se-ia avisados. A família ponderava interromper a vigilância.

Foi então que, uma noite, altas horas, ouviram o trabalhar de um camião. Era o sinal que esperavam. A juventude irrequieta do António adianta-se à maturidade do irmão que o acompanha naquele turno. Puxa da arma, encosta-se à coluna junto à porta. O irmão fez-lhe sinal para se acalmar. Não podem cometer erros. Primeiro têm que verificar se é desse camião que estão à espera, se sair da estrada principal e entrar na picada que termina na fábrica, basta acender os holofotes para perceberem que não estão sozinhos. Surpreendidos e assustados fugirão.

O ruído do motor estava cada vez mais próximo, abrandou no entroncamento, virou à direita. Os faróis dirigidos ao portão da fábrica. Parou. As vozes que ouviram  indicaram que saíram do camião e se dirigiam para o portão que os separa dos dois irmãos. No interior, António tentou chegar ao interruptor para ligar os holofotes. Estava muito escuro, não via nada, a ligação tardou. O portão abriu-se no mesmo instante em que as luzes se acenderam. Os assaltantes, assustados fugiram. António perseguiu o mais atrasado. Estava quase a alcançá-lo. Agarrou-lhe a camisa. O outro, quando se sentiu preso, virou-se e encostou uma arma à testa de António. O tiro que cortou o silêncio da noite, confundiu-o. Uma arma foi disparada - deveria sangrar em alguma parte do corpo. Mas não, não sentia nada. O corpo que segurava pela camisa escapou-se-lhe, caiu no chão perto de si. De pé e ainda com a arma na mão o seu irmão olhava-os com um misto de terror e alívio. Matou um homem mas o seu jovem irmão está vivo.

Abraçaram-se longamente. Muita coisa passou pela cabeça de António mas a imagem dos seus pequenos sobrinhos a crescerem com o pai ausente, recluso numa prisão, não o abandonava. Como um autómato tirou do bolso o telemóvel, ligou o 112.

- Matei um homem, venham buscar-me.

 

Aconteceu há cinco anos, a pena ainda não terminou mas António não tem medo do futuro - a família ama-o e admira-o, cuida dele. Hoje é dia de visitas, tem a certeza de poder abraçar um dos seus. A sua cunhada fez o bolo de iogurte que lhe será entregue juntamente com o saco da roupa cuidadosamente limpa e arranjada. Terá notícias de todos.

É assim desde aquela noite.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    No tempo que é sempre o mesmo, o partir e chegar é...

  • Anónimo

    Diante da morte, diante de um suicida perante a mo...

  • S.

    Há o silêncio da sombra de duas pessoas falando.....

  • Alexandra Vaz

    Um abraço, de alma cheia. Beijinhos, Teresa.

  • Teresa Teixeira

    Sei tão bem disso. Sim, que escrever cura. Mesmo a...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde