Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

20
Jul10

Espero… (Expectativas - 1)

Publicado por Mil Razões...

 

Criar expectativas é tão natural como respirar. Desde sairmos de casa à hora habitual, contando demorar os 20 minutos conhecidos até ao lugar de trabalho, como sempre acontece se saímos àquela hora, com bom tempo e sem acidentes de percurso, até esperarmos gozar a nossa reforma após uma vida de trabalho. Que as expectativas nos criem, também o é. Nascemos no contexto de uma determinada cultura, movemo-nos em grupos sociais com costumes e regras mais ou menos explícitas que assimilamos mesmo sem nos apercebermos; a dinâmica instala-se entre o anuir e esperar corresponder, e a rebelião, na procura de uma forma de estar que identifiquemos como “sou eu e tenho um lugar”; assumimos um compromisso, múltiplos compromissos, ou a ausência deles, que modelam a nossa identidade - não nos é dado escolher.

 

Ao longo da vida aprendemos a lidar com as múltiplas e flutuantes camadas de expectativas: as que são nossas e as que recaem sobre nós, as que fazemos recair sobre os outros, aquelas de que não tínhamos consciência e as que alimentámos deliberadamente (que não raro são metas ou objectivos, encadeados), as que são inevitáveis e as que não são, as que são realistas e as que não são, as que são inócuas e as que são armadilhas, as que são pequeninas (espero que a compota de cereja fique boa!) e aquelas que definem a forma como conduzimos as relações mais íntimas, a vida de quem está ao nosso cargo, o quão bem estamos connosco, como lidamos com os outros, o que nos move, as decisões que tomamos, o que produzimos, o que fazemos de nós.

Da mesma forma que nos impulsionam, as expectativas podem ser expressão de pré-conceitos e manietar-nos ou agarrar-nos ao passado, porque construídas sobre experiências que já foram, que tiveram os seus condicionantes e desenlaces. Podem impedir a comunicação de mensagens muito simples. Esta semana explicava por email a uma amiga como remodelar um documento com a formatação automática no Word; é simples, mas por qualquer razão ela não estava a conseguir. Decidimos falar ao telefone e ela diz-me “Mas é só isso?” Esperava outra coisa, daí achar que estava a falhar.

 

Uma vida em que faltem expectativas positivas (de realização, de bem-estar), na série que alimentamos continuamente, deve ser como um carro que trava a todo o momento e que no final do percurso se gastou em 50 quilómetros. Por outro lado, acontece ouvirmos alguém balbuciar “esperava muito mais desta relação”, para justificar o estado deplorável em que está. Há quem se instrua em não criar expectativas - será possível? Parece-me que é inevitável criá-las, até como um sentimento de fundo, talvez como ser-se optimista ou pessimista, como ter ou não ter esperança, ou fé.

 

Ana Álvares

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa noite,Foco-me nesta frase: "A pessoa que preci...

  • Anónimo

    TENHA ESPERANÇA E FÉ EM DEUS, QUE A ESSA TEMPESTAD...

  • Alexandra Vaz

    Querida Teresa, Mulher-Irmã, pura Poesia o comentá...

  • Teresa Teixeira

    Sem luz nunca há transparência. E este texto ilumi...

  • Alexandra Vaz

    Querida Dan, obrigada pelo teu belo comentário... ...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde