Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

20
Out09

Frente à velha figueira (Incapacidades – 7)

Publicado por Mil Razões...

 
Sentia-se confortável. Tão velha como ele, a cadeira de repouso envolvia-lhe as costas, sustentava-lhe os braços, moldava-se às pernas e amparava-lhe a nuca de tal forma, que o seu corpo parecia flutuar, imponderável.
 
Gostava dos fins de tarde de Outono e da luz mansa que se espraiava pela casa. Os objectos adquiriam tons quebrados e formas difusas, remetidos para a sua importância funcional. Lá fora, a figueira dos seus tempos de menino, espreitava pela janela e acenava, impelida pelo vento.  
 
Já passara um ano sobre o maldito AVC e persistiam as dificuldades de coordenação de movimentos. Em tudo dependente - até para dormir - aguardava que alguém o deitasse ou o trouxesse para a velha cadeira onde permanecia todo o dia. Ali passava longas horas, sozinho, assombrado por recordações, revisitando pessoas e sentimentos. Por vezes retinha as imagens mais agradáveis, alongava-se nos detalhes e dormitava sobre eles. Mas dias havia em que fragmentos dolorosos do passado se impunham e dominavam os pensamentos. Nessas alturas, levantava os olhos para a velha figueira e seguia-lhe os movimentos ondulantes até alcançar um estado hipnótico e libertador.
 
Apesar de tudo, sentia-se bem naquela tarde. Percorreu os tempos em que subia à figueira e as vezes sem conta que de lá caiu. A velha face enrugada e trémula esboçou um esgar, quase um sorriso. Recordou o amigo que muitos anos atrás lhe dissera já ter tido um A, um B e um C, receando continuar, de acidente vascular em novo acidente, até ao final do abecedário. E riu-se contidamente por dentro. Cheirou a hortelã acabada de cortar e as rosas vermelhas que bordejavam o canavial. Desceu ao rio de sempre e tocou nas águas luminosas e transparentes. E ficou muito tempo na margem, seguindo as folhas levadas pela corrente. De súbito, o rio parou e a imagem do seu rosto de menino surgiu reflectida na água.    
 
O tabuleiro de figos no parapeito de sol; as iscas de bacalhau do Solar das Andorinhas, o gato preto, enorme, no tapete da sala; ”- a nogueira secou”; o corredor imenso, cheio de fantasmas de luz e sons; os cheiros da sobreloja e a galinha ao fundo, imóvel no cesto; ”- já chegou o menino Jesus”; as sobrancelhas do professor Borges; as mãos macias e quentes da mãe. Era sempre assim: recordações aleatórias acotovelavam-se no final do dia e terminavam com a imagem da mãe, segurando-o no colo. ”Amanhã, pensou, vou visitar a escola e, se tiver tempo, vou comer umas iscas da “Ti Rosa”.
        
Sentiu a mão da filha a percorrer-lhe a cabeça. Começava o ritual diário que anunciava a hora de se deitar. Compensou com o olhar os gestos que o corpo recusava e deixou-se levar.    
           

José Quelhas Lima

 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Outubro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Jorge Saraiva

    Obrigado pelo comentário!Muito pode estar por escr...

  • Anónimo

    Partir"Tive uma amiga que ambicionava escreverpoem...

  • Sara Silva

    Sem dúvida que é força anímica da existência, romp...

  • Anónimo

    No tempo que é sempre o mesmo, o partir e chegar é...

  • Anónimo

    Diante da morte, diante de um suicida perante a mo...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde