Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

11
Set09

A gratidão pode ser uma coisa muito ingrata… (Sentimentos e Emoções – 17)

Publicado por Mil Razões...

 

  
Quer dizer, andamos para aí com uma ideia alojada no cérebro a dizer-nos que devemos alguma coisa a alguém, seja uma pessoa ou um Deus. Faz comichão.
Ao mesmo tempo, claro está, é porque nos aconteceu algo de bom, ou recebemos algo valioso (amizade, um bom conselho, ajuda para resolver um problema, um Porsche Carrera...).
Vá lá que hoje em dia a gratidão parece estar em vias de extinção. Quando nós nascemos, não sabemos já que tudo nos é devido? Não foi para isso que viemos aqui parar, para ser felizes? Para quê sentir gratidão por ter saúde, amigos, família, um tecto sobre a cabeça, trabalho. E as obrigações, sobretudo o conceito de estar em dívida a alguém, é um aborrecimento.
É então que normalmente entra em jogo a realidade. A vida nem sempre corre bem. Aliás, muitas vezes não corre nada bem. E é injusta. E passa-nos rasteiras. E julgamos que tomamos a decisão certa e quando damos por ela, tudo se desmoronou à nossa volta. Ou então, um belo dia fomos de férias para um destino exótico e reparamos que há pessoas a nascer, viver e morrer nas ruas, a passar fome e a ver os filhos a morrerem-lhe nos braços. Pessoas sem nenhuma das coisas que tomamos por certas.
Quando era miuda, um gelado de chocalate chegava para eu me sentir agradecida. Na adolescência juntei outras coisas: ter amigos divertidos e boas notas – precisamente por esta ordem. Depois fui acumulando outras coisas, como ter tanta gente que gosta de mim e de quem eu gosto tanto e não ter dívidas ao Fisco.
Agora estou a tentar passar ao patamar seguinte, aquele em que agradecemos por aquela velhinha que vai a conduzir o carro à frente do nosso a 12 km/hora quando já estamos atrasados para o compromisso mais importante da nossa vida, porque nos vai ensinar a ser mais pacientes e a exercitar o auto-controlo.
Ou quando estamos na fila na estação dos correios há meia hora e alguém nos passa “distraidamente” à frente, porque vamos poder conversar sobre o que é o civismo e depois vamos ter uma oportunidade de testar os nossos reflexos.
É claro que há dias em que tudo isto falha e eu mando a gratidão às urtigas. Se bem que isso é outra história...já fizeram algum artigo sobre “a neura”?
Mas de um modo geral, sinto-me muito grata por ter tanta coisa de que me sentir agradecida.
Ah, e em jeito de nota de rodapé: sempre que possível, é mooontes de giro retribuir toda essa gratidão que sentimos dando aos outros motivos para se sentirem agradecidos também.
 
Dora Cabral
 

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    No tempo que é sempre o mesmo, o partir e chegar é...

  • Anónimo

    Diante da morte, diante de um suicida perante a mo...

  • S.

    Há o silêncio da sombra de duas pessoas falando.....

  • Alexandra Vaz

    Um abraço, de alma cheia. Beijinhos, Teresa.

  • Teresa Teixeira

    Sei tão bem disso. Sim, que escrever cura. Mesmo a...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde