Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

29
Nov13

Liberdades (Liberdade – 4)

Publicado por Mil Razões...

 

Querido amigo,

 

Escrevo porque sei que estás zangado e não queres falar comigo. De resto, ultimamente andas sempre muito zangado e sem vontade de falar. Percebo-o e respeito o teu silêncio, ainda assim, escrevo e desejo ser compreendida neste exercício de liberdade que está longe de te querer provocar algum incómodo.

A esta altura da minha carta já estarás a pensar que és livre de falar com quem e quando muito bem te apetecer. Afirmas assim a tua liberdade. Pois bem, falemos então de liberdade e de como eu a fui sentindo ao longo da minha vida.

Entrava na adolescência quando se deu o 25 de abril de 1974, que ficou conhecido para a História como, o dia da liberdade, deves lembrar-te certamente!. Fui esculpindo a minha personalidade e a minha formação pessoal no mesmo sentido em que a palavra liberdade se vulgarizava, a tal ponto, que o conceito ficou reduzido à possibilidade de se poder falar. Ouvia as pessoas opinar sobre partidos e ideologias, justiça e o que a ela faltava enquanto tal, de teorias de mercados que fazem funcionar a economia, de um Estado interventivo para acabar com as desigualdades sociais facultando o acesso ao ensino, à saúde e a melhores condições de vida, de finanças e sistemas financeiros, instrumentos de alavancagem para o desenvolvimento pessoal e das empresas. Enfim, de tudo um pouco mas com tudo a ficar na mesma.

Afinal, parece que a liberdade de expressão, só por si, não resolveu o problema das pessoas.

 

Levantam-se vozes discordantes. A família é posta em causa e o amor passa a ser livre, sem amarras nem compromissos. Os mais jovens negam as tradições, as mulheres cortam os cabelos, os homens deixam-no crescer, os concertos de rock e todo o estilo de vida associado, ganham adeptos, consomem-se drogas e estimulantes, vivem-se tempos de uma eufórica rebeldia. Muitos querem viver nessa euforia permanentemente, recusam voltar a uma realidade que lhes desagrada.

Os hábitos mudaram mas a liberdade de atitude, só por si, não fez de nós pessoas mais felizes.

 

Democratizaram-se as artes. Todos parecem ter algo a transmitir, seja na escrita, na música, na pintura ou em outras expressões culturais. Mas o talento não é democrático e à arte não basta a expressão de sentimentos mais ou menos bem articulados. Não basta descrever, é preciso escrever. O resultado foi a proliferação de publicações de livros de escritores que nunca o foram, vidas que deviam ser privadas, expostas em praça pública, música de qualidade duvidosa.

Afinal, parece que a liberdade criativa, só por si, também não nos elevou como seres humanos.

 

Sabes uma coisa, amigo, penso muito sobre estas questões e quer-me parecer que a liberdade poderá passar por um processo coletivo, mas liberdade talvez seja mais simples do que isso, talvez seja fundamentalmente um processo individual. Isto é, serei livre se me sentir livre. E sabes quando é que me sinto livre? Poderá parecer estranho mas é assim que eu sinto e, mesmo que a esta altura da carta o teu amuo ainda não se tenha rendido, vou na mesma falar-te do meu processo individual de liberdade. Sinto-me livre quando, frente a frente com a minha consciência, e só com ela, sem medos, sem pressões e tiques sociais, tomo decisões e sinto que sou capaz de responder por essas mesmas decisões. Nessa altura sim, sinto-me livre. Sinto-me bem. E é por isso, amigo, que mesmo sabendo que não queres falar comigo, tomei a liberdade de te escrever porque a minha vontade o ditou e a minha consciência o encorajou. 

Até sempre, aceita a minha amizade e fica bem.

 

Cidália Carvalho


2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Recomendamos | Filmes

 

 

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eu tenho certesa que sinto isso quando penso na Mi...

  • Anónimo

    Confio também em Deus e sei que ele tudo pode faze...

  • Anónimo

    Quando uma pena descreveuma prece rumo ao Céu,ao s...

  • Teresa Teixeira

    Pois. Há sempre um modo de disfarçar cicatrizes, o...

  • Teresa Teixeira

    Beijinhos para quem quer que seja - que me conheça...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde