Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

01
Out13

Ter e não ter (Sexualidade – 1)

Publicado por Mil Razões...

 

Numa manhã, igual a todas as outras, apanhei o autocarro para ir para a escola, andava eu no 10º ano. Quando cheguei, vários autocarros chegaram ao mesmo tempo, descendo deles muitos dos meus colegas de escola e de turma.

O pátio de entrada estava cheio de pessoas, cruzando-se os vários olhares de sempre. Mas, naquele dia, os meus olhos cruzaram-se com dois olhos azuis que me deixaram presa por algum motivo que não entendi. Depois de uns minutos conseguimos desviar o olhar um do outro e seguir os nossos caminhos.

Passei as aulas desse dia a pensar se voltaria a cruzar-me com aquele rapaz que me encantou apenas com o olhar.

À medida que os dias foram passando, o objetivo dos intervalos era fazer com que o meu grupo de amigas preferisse sentar-se num local onde eu pudesse ver aqueles olhos novamente, mesmo sem elas se aperceberem.

Passaram-se meses até que elas percebessem que eu comunicava daquela maneira com aquele rapaz. Quando esse dia chegou, porque eu já não me esforçava para o esconder, uma delas insistiu tanto para explicar o que ali se passava que eu acabei por desvendar todo o mistério desta relação quase utópica.

Digo quase, porque não era apenas eu que olhava. Era também olhada nos meus olhos, sentindo-me invadida por ele de alguma forma que não conseguia descrever.

Várias semanas se passaram, deixando as minhas amigas cada vez mais impacientes e sem saber por que razão não nos apresentávamos um ao outro, quebrando esta barreira.

Como as amigas fazem tudo por nós, até mesmo o que não queremos, um dia montaram um esquema e fomos realmente apresentados, tendo até feito uma conversa onde trocamos apenas os nomes e um sorriso tímido, sem jeito e até de desilusão.

Depois deste dia, depois da suposta barreira ser quebrada, deixei de procurar o olhar e, quando por acaso nos cruzávamos, era agora bem mais fácil de explicar o sentimento que carregava: desilusão de ambos.

Pensar naqueles olhos, olhar para eles como algo misterioso e fora do meu alcance, tornava toda a situação apetecível, com vontade de ter mais. Depois de dar apenas mais um passo, ou seja, acrescentado palavras, todo o desejo se desmoronou, deitando fora toda a beleza e sexualidade da relação diária que criámos de forma espontânea, natural e sem compromissos.

O mistério do desconhecido tornava o desejo monstruoso, quebrado com um simples olá e com a intenção de tornar os sentimentos e vontades verbalizados.

 

Sónia Abrantes


6 Comentários

Comentar Artigo

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    No tempo que é sempre o mesmo, o partir e chegar é...

  • Anónimo

    Diante da morte, diante de um suicida perante a mo...

  • S.

    Há o silêncio da sombra de duas pessoas falando.....

  • Alexandra Vaz

    Um abraço, de alma cheia. Beijinhos, Teresa.

  • Teresa Teixeira

    Sei tão bem disso. Sim, que escrever cura. Mesmo a...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde