Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

16
Out12

O sonho comanda a vida? (Sonhos – 5)

Publicado por Mil Razões...


Quem é que disse que o sonho comanda a vida? A vida é que comanda o sonho! Sonhamos na mediada da nossa vida. Doutra forma o sonho seria uma perfeita inutilidade. Ou então é uma questão de fé. E nada contra a fé. Todos temos, cada um ao seu jeito, uma particular forma de crença. Cremos sempre, pelo menos em determinados momentos, que a vida nos irá sorrir um dia, que o cosmos se vai alinhar, seja lá de que forma for, para nos oferecer o céu na terra. O pior é que a crença está muito ligada à distração, ou então à insatisfação, ou ainda a patamares de exigência difíceis de alcançar. Doutra forma perceberíamos que tocamos muitas vezes nesse céu ao longo da vida.

A culpa vem donde? Do sonho, claro. Dessa coisa nebulosa que dizem que comanda a vida. Aprendemos a sonhar na infância, a fantasiar, a idealizar cenários de felicidade, a percebermos a vida adulta como um lugar em que todos os sonhos se concretizam. E depois vai-se a ver, nem sabemos ao certo que sonhos tivemos nem quais os que já se concretizaram. E o pior é que concretizámos a maioria deles e nem nos apercebemos disso, até porque, de grosso modo, procuramos alcançar sempre a felicidade (o sonho mais infantil de todos) e nem nos preocupamos muito com a sua definição.

Por outro lado, sonhar é viver. É viver num mundo paralelo. O sonho é como uma linha que se vai desenhando ao lado da linha da vida real. Estas duas linhas ora se afastam ora se aproximam ora, por sorte ou por feliz alinhamento do cosmos, se tocam. Ou então por atenção e satisfação.

A diferença entre o sonho e a crença é que o primeiro não se apoia em quaisquer dados reais. É fruto da imaginação livre e desprendida de bases terrenas. A crença, por seu lado e por mais estranho que isto possa soar, é material, porque encerra o declarado desejo de concretização em tempo e lugar.

O sonho depende da vontade externa. A crença da interna, da mobilização das capacidades conscientes para concretizar determinado objetivo. Crer que algo vai acontecer é estar perto do acontecimento. A crença é o verdadeiro motor da esperança, e esta é o derradeiro patamar antes da materialização do sonho: sonhar, acreditar, esperançar, mobilizar e concretizar.

"Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce": Fernando Pessoa sempre soube dizer em poucas palavras o que dá muito trabalho. Para a obra nascer é preciso muita sorte, o que também dá muito trabalho.

Mas no fundo isto acaba por ser uma pescadinha de rabo na boca, na medida em que até o sonho se vai baseando nas concretizações: "se cheguei até aqui, posso agora tentar chegar até ali". "Se juntei este pecúlio, posso agora tentar juntar mais outro tanto". E por aí adiante.

O que quer dizer que vamos concretizando sonhos e, quase de seguida, substituímo-los por outros, o que torna a tarefa de sonhar numa dança de cadeiras. E esta dança só serve para preencher o espaço entre o nascimento e a morte. Sim, porque vamos todos para o mesmo e aí os sonhos serão mais sobre o passado do que sobre o futuro.

O sonho comanda a vida, sim: se é verdade que a vida condiciona o sonho, não é menos verdade que o sonho descondiciona a vida.

 

Joel Cunha

4 Comentários

Comentar Artigo

Porto | Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Olá, Boa tarde.Gostei muito deste artigo.Rebeca Ma...

  • Anónimo

    M. Teixeira, a sabedoria está em encontrar o ponto...

  • Anónimo

    O que é muito significativo - quando se perde a Co...

  • Anónimo

    Socorro-me da sabedoria popular : cautelas e caldo...

  • Anónimo

    A estátua da Confiança está sempre de braços parti...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde