Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

18
Jun14

Vocês em mim (Luto – 15)

Publicado por Mil Razões...

 

Foi sempre inesperado, mesmo quando estava a contar. Já passei por tudo o que posso imaginar, apesar de saber que pode haver mais à espera, mais que não sei ou não quero imaginar.

Tu ficaste doente, e tu também, e em ambos os casos pareceu-nos disparatado e desadequado e achamos que, com a idade que tinham, não nos iam morrer assim. E tu, a mim pareceu-me que foi uma overdose, mas não se pode falar no assunto porque ninguém consegue sequer pôr a hipótese de que pode ter sido. E lá saíste da minha vida de um momento para o outro, ainda mais novo que os outros, e pareceu-me feio e injusto. E tu e tu, vocês já tinham “idade”, seja lá isso o que for, e percebe-se que com essa idade se calhar já estamos a contar, mesmo não querendo e mesmo sabendo que vai doer. No teu caso então, já estavas mesmo a pedir, literalmente. Porque já tinhas ficado sem tanta gente que amavas, porque já não vias sentido, porque já estavas cansada e sentias-te a ser punida por um crime qualquer.

E tu, tu eras só um periquito, e não estou a ser metafórica nem estou louca. Eras o meu periquito e pousavas na minha perna ou no meu ombro, ou ficavas preso no meu cabelo enquanto eu estudava coisas aborrecidas no quarto. E calavas-te quando eu me calava e fazias uma barulheira monumental se eu falava, se estivesse ao telefone então, nem me deixavas ouvir a minha voz.

Todos vocês estão ausentes. Às vezes sei isso, outras nem por isso. Contigo, demorei três anos a apagar o teu número de telemóvel da minha agenda, porque me parecia que te ia matar e que, enquanto o teu número estivesse ali, podias aparecer a qualquer momento. E contigo nem consegui acreditar e ainda me lembro de ti no caixão, com um ar calmo e quase feliz, como se tivesses atingido o nirvana, e se calhar atingiste mesmo. E de ti, nem me lembro de nada, como foi ou deixou de ser. Sei que sinto a tua falta. Tu, bem tu foste, e eu só soube depois. Houve decisões tomadas e nem cheguei a despedir-me, e nunca fui ver onde dizem que está o que resta de ti. Não sei o que fazer com isto, com esta despedida que não foi, e com o pressentimento que tive de que não te tornava a ver a última vez que te abracei. E tu, foste cremada. E eu só me lemro do caixão a desaparecer e de pensar como tinha sido bom para ti ir, porque querias tanto ir.

Mas vocês continuam aqui, todos.

Tu ensinaste-me a gostar de banda desenhada e a interessar-me por vinhos e a perceber do assunto. E tu, tu fizeste-me gostar de música e apetecia-me ter aprendido a tocar piano, mas não aconteceu. Mas mostrava-te os meus poemas e tu tinhas sempre coisas lindas para dizer, e eu não parei mais. Tu aí não estiveste nunca muito tempo comigo, porque as nossas vidas eram muito diferentes, mas eras bom e meigo e eu pensava que queria ser como tu quando fosse grande. E vocês as duas, tão diferentes e tão parecidas, foram modelos para mim, fortes, resistentes, determinadas, lutadoras.

E de todos vocês, ficou-me o sentido de humor… e muito amor.

Em alguns momentos, sinto muito a vossa falta, de todos juntos ou de um de cada vez. E apetece-me a vossa presença. E penso o que fariam, o que diriam, como reagiriam nos momentos que a vida nos põe à frente. E vocês lá vêm ajudar, dentro da minha cabeça.

Não sei como me despedir. Por isso, não o faço. Vocês estão todos aqui, onde eu estou. Até o estúpido do periquito.

 

Dora Cabral

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde