Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

10
Out10

Dia Mundial da Saúde Mental - 2010

Publicado por Mil Razões...

 

Hoje, é o Dia Mundial da Saúde Mental.

Para este ano o tema escolhido pela Federação Mundial para a Saúde Mental é: Saúde Mental e Doença Física Crónica / A Necessidade de Cuidados Continuados e Integrados.

A Coordenação Nacional para a Saúde Mental (Alto Comissariado da Saúde) realiza amanhã, 11 de Outubro de 2010, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, uma sessão comemorativa.

 

Mil Razões...

 

29
Jan09

Que chefes temos?

Publicado por Mil Razões...

 

Os resultados do estudo (mais um), feito por uma equipa sueca, eram esclarecedores.
Dei por mim a acenar com a cabeça para cima e para baixo em sinal de concordância com este triste resultado.

O universo eram 3000 trabalhadores, homens, na faixa etária entre os 18 e os 70 anos e num período de 10 anos.
O estudo tinha um duplo objectivo: 1.º avaliar a competência e o carácter de quem geria o seu trabalho, vulgo, chefes; 2.º os efeitos no comportamento e na saúde desses trabalhadores.

Revelou o estudo que existia uma relação directa entre os problemas cardíacos graves, e os maus chefes.
Uma chefia incompetente é um factor de risco com mais peso nas doenças de coração do que o tabaco, ou a falta de exercício.

Que chefes temos?
Que chefes queremos?

A falta de saúde económica actual, transversal a todos os sectores desde o produtivo ao financeiro, deixará pouca margem para que os cargos de chefia sejam exercido com os aspectos básicos e fundamentais: competência, profissionalismos e bom senso.
Os lugares são cada vez mais escassos e não se podem dar ao luxo de os perderem. Estabelecem como prioridade número um o cumprimento dos objectivos impostos.
Estes objectivos, estabelecidos a contar com o ritmo alucinante de trabalho dos empregados, arranhando muitas vezes a sua saúde fisica e mental, ignoram uma verdade absoluta: maior satisfação no trabalho, maior produtividade.
Trabalhadores descontentes, desvalorizados e injustiçados, entram em stress, passam por estados de hipertensão, culminando, não raras vezes, nas baixas sucessivas e prolongadas.

Compete às estruturas definir objectivos exequíveis com um sadio ritmo de trabalho, concessão de regalias facilitadoras das condições de vida dos trabalhadores e limpeza dos departamentos e direcções, dos chefes incompetentes.
Talvez assim, a máxima,"o trabalho dá saúde" volte a ser verdade.

Cidália Carvalho

 

09
Dez08

Vale sempre a pena

Publicado por Mil Razões...

 

Existem manuais que identificam todo o tipo de doenças mentais, descrevendo sintomas e características que ajudam a traçar diagnósticos através de comportamentos, atitudes e tendências.
 
São já muitos os que falam de doenças mentais e com facilidade os mais leigos identificam que "aquele não regula bem da cabeça", por ter comportamentos com desvios dos padrões "normais". Na minha opinião, são cada vez mais aqueles que se enquadram num perfil de uma normalidade comportamental, padronizada com regras definidas e aceites pela sociedade, sem que isso seja, necessariamente, o melhor.
Debatemo-nos com esses "desvios", com as fragilidades daqueles que não estão aptos a conviver numa sociedade "normal", e procuramos corrigir e dirigir os "doentes" que se tornam marginais e que vivem fora de um círculo definido pelos "normais".
 
Pois a mim choca-me, cada vez mais, estes "normais" terem atitudes que não são consideradas nem demências nem loucuras.
Atitudes que não estão descritas nos compêndios da sabedoria mental.
Loucuras escondidas que impedem o nosso conhecimento.
 
Vivemos num mundo que hoje nos abraça e amanhã, se assim for o caso, descarta-nos sem remorsos nem piedade. Na cadeia da sociedade somos mais um género de “fast-food”aqui, agora e já! O depois, a continuidade, logo se vê.
O que nos torna seres paralisados, com medo de dar, de nos abrirmos e de expor as nossas fragilidades, com receio de sermos devorados, porque no final, acaba por acontecer a todos, dedicar sentimentos e distribuir afectos a pessoas que sugam a oportunidade de, com egoísmo, desfrutar de um interesse em particular.
 
Caminhamos para o afastamento gradual, por parte de todos, em relação aos outros, àqueles que nada nos são e que se traduzem num rosto incógnito que se atravessa no nosso horizonte.
 
Porque é que não podemos apaixonar-nos por tudo e por todos e dizer à boca cheia, "gosto de ti", mesmo quando isso possa ser despropositado?
 
Terá de ser loucura querer bem ao mais "detestável" dos seres humanos, só porque este não se enquadra nos ditos padrões normais?
 
Porque não, gostar só por gostar?
Sem limites, gostar de um sorriso, de um olhar, ou de uma cara feia.
Querer gostar sem medos, onde as palavras desconfiança e desilusão existam apenas no dicionário.
 
Não ter de aprender a ler todos os sinais, ou indícios, que este ou aquele "normal" tem no seu olhar e que nos previnem, instintivamente, vendo apenas o que queremos ver, o que precisamos de encontrar e o que acreditamos ser a verdade.
 
Darmo-nos gratuitamente, apenas por considerarmos alguém merecedor de afecto, de carinho e de amor, mesmo quando isso se venha a revelar um enorme e doloroso erro, será loucura?
Talvez, mas contínuo a querer ser "louca" e a gostar por gostar, mesmo que isso signifique mais uma ferida, ou mais uma desilusão. No meio de tantos "normais" com atitudes verdadeiramente dementes, existe sempre aquele ser humano que faz valer a pena e que dá razão e brilho à nossa existência.
 
Susana Cabral

 

09
Out08

A crise financeira mundial e a saúde mental

Publicado por Mil Razões...

 

Margaret Chan, directora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), alertou hoje para um possível aumento das incidências do suicídio e das doenças mentais, em consequência da crise finaceira mundial e dos seus efeitos aos níveis económico e social, noticiava o Diário Digital.

 

Também hoje, o responsável pelo serviço de psiquiatria do Hospital de Gaia, Jorge Bouças, dava nota, ao mesmo jornal, de um aumento no número de consultas, fruto da crise social que se vive em Portugal.

 

Sensíveis ao problema financeiro, os políticos procuram medidas para tentar evitar o pior para as economias. Porém, parecem não ter a mesma sensibilidade para as dramáticas implicações sociais da crise, a qual afecta de forma dramática a vida das populações, com enormes reflexos na sua saúde mental.

 

Conseguirão os profissionais da saúde mental alertar o Governo para essa consequência? Conseguirão pressioná-lo para que medidas preventivas sejam tomadas?

 

Fernando Couto

 

08
Out08

Dia Mundial da Saúde Mental: 10 OUTUBRO 2008

Publicado por Mil Razões...

  

A propósito do Dia Mundial da Saúde Mental, que se comemorará no próximo dia 10 de Outubro, a Federação Mundial para a Saúde Mental (WFMH) decidiu publicar um folhetim onde pretende alertar a comunidade civil para o flagelo que é a doença mental, referindo que esta afectará directamente cerca de 12% da população mundial.

Quem vir este número de relance pode considerar que 12% da população mundial nem é um valor muito alto, no entanto, não podemos esquecer que a esta percentagem de doentes mentais, não corresponde igual percentagem de meios de prevenção, tratamento e acompanhamento.

A juntar a este facto, existe também a "marca" pesada de se ser doente mental, quase como se este fosse uma pessoa menos nobre ou digna do que uma qualquer pessoa com uma doença cardiovascular ou oncológica.

Um dos pontos chaves desta publicação da WFMH é imputar a responsabilidade pela melhoria das condições dos serviços de saúde mental, não nos responsáveis politicos ou nos governos, mas sim no indivíduo.

Cada um de nós pode (e deve) fazer a diferença no seu dia-a-dia. Cada um de nós tem o potencial para alterar o seu entorno. Cada um de nós tem a potencialidade de mudar atitudes nos que nos são próximos. Cada um de nós tem a hipótese de sugerir alterações e melhorias, e enquanto cada um de nós não o fizer de uma forma espontanea, continua e desinteressada, não somos dignos de o exigir posteriormente aos nossos Governos e politicos, pois eles não são mais do que o reflexo de cada um de nós.

Acredito que o Mil Razões... é um passo importante no sentido dessa participação civica para a melhoria da saúde mental no nosso entorno.

 

Alexandre Teixeira

 

05
Out08

A comunicação social pode informar onde há ajuda disponível!

Publicado por Mil Razões...

 

 

Nas notícias dos últimos dias sobre o fenómeno suicídio, como sempre, a comunicação social informa sobre ocorrências, ou sobre estudos à volta dessa temática, em modo mais ou menos sensacionalista, por vezes destaca alguns sinais de alerta, mas falha sempre no mesmo ponto: não informa aqueles que se sentem mal consigo, ou mal com os outros, aqueles imergem na solidão, como e onde poderão encontrar ajuda.

 

De que serve divulgar sinais de alerta quando depois, alguém identificando esses sinais em si, ou em alguém próximo de si, não sabe a quem recorrer, a quem pedir ajuda?

Como e onde avaliar o verdadeiro significado dos sinais detectados?

Como lidar com uma situação dessas?

 

E ainda bem que o blog do MiL RAZõES... tem ligações com os sítios na internet dos serviços de apoio emocional que existem no nosso país.

Esses serviços, todos com atendimento de voluntários preparados e treinados para comunicarem com pessoas, estejam elas apenas necessitadas de falar com alguém, ou estejam em crise profunda, são uma excelente porta de entrada para quem necessita de ajuda, mas tem dificuldades ou objecções em recorrer directamente a psicólogos ou a psiquiatras.

E todos esses serviços, se necessário, reencaminham para técnicos e serviços de saúde mental e com eles se articulam, complementando-os.

 

Espero o dia em que a comunicação social, quando noticiar um suicídio, quando divulgar um estudo, quando de alguma forma abordar este tema, não esqueça de, em simultâneo, informar onde e como podemos obter ajuda.

 

Fernando Couto

 

22
Set08

O Início

Publicado por Mil Razões...

  

O Mil Razões… é um sonho antigo da Escutar que nasceu da necessidade sentida de que haja um maior debate e uma maior divulgação das temáticas da saúde mental. No entanto, o desejo de que esta seja uma iniciativa com qualidade, fez com que fossemos adiando o projecto até conseguirmos reunir as condições por nós consideradas como necessárias.
 
O nosso primeiro tema é o suicídio.
Com as 1.as Jornadas Sobre Prevenção do Suicídio / Conhecer para Prevenir, queremos dar voz àqueles que diariamente criam conhecimento sobre este fenómeno que atinge tanto quem o tenta, como todas as pessoas à sua volta, querendo também abrir reflexão sobre a sua prevenção.
Graças ao esforço dos Voluntários da Escutar, conseguimos reunir em torno deste evento várias entidades locais, bem como ter a participação de alguns dos mais reputados nomes do panorama científico nacional, que nos irão obsequiar com diferentes perspectivas sobre o fenómeno do suicídio.
 
Alexandre Teixeira

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde