Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

17
Dez14

Se calhar a gente habitua-se (Um vs Mundo – 14)

Publicado por Mil Razões...

HomemNumBancoJuntoAoMar.jpg

 

Por vezes sinto-me só. Não devia, porque não estou, mas sinto-me. É um tipo de solidão com requintes snobes de superioridade, porque estou convencido de que ninguém me compreende. Sou arrogante e egoísta, por vezes até mal-educado: ninguém me entende, mesmo. E isso irrita-me.

No princípio julguei que bastava expressar-me com silêncios densos e expressões impercetíveis de olhar, para comunicar com clareza os meus desapontamentos perante esta ou aquela situação. Pensei que as pessoas me liam facilmente, dado que aquilo que me ia por dentro era muito intenso. Mas por uma questão de ética ou de respeito (ou de medo), não me atrevia a traduzir por palavras aquilo que me fervia no sangue. E por isso concentrava no olhar toda a revolta e toda a tristeza, lançando sobre os meus ofensores toda uma pesada energia de nada. Sim, de nada, porque o olhar era vazio, dum vazio que de tão vazio tinha que ser entendido como carregado de significado, que faria as pessoas recuarem. Mas não, era só um olhar parvo.

Foi então que mudei de estratégia. Mantive a mesma revolta e o mesmo olhar, mas adicionei-me uma válvula de escape controlado, socialmente apropriada. Este artefacto permitia-me devolver aos meus ofensores um pouco do veneno que chapinavam em redor, colocando-lhes perguntas cirúrgicas acerca do que acabaram de dizer ou fazer. Assim, teriam que estacar um pouco, refletir (se aplicável), manter-se um tempinho mais na situação hostil que estavam a patrocinar e reformular o que disseram ou fizeram (se o efeito da válvula surtisse efeito). Esta reformulação estaria implicitamente acompanhada de arrependimento, o que para mim era o objetivo essencial.

À medida que fui amadurecendo foi-me faltando a paciência para ser sempre socialmente correto, pelo que fui gradualmente substituindo as perguntas de veludo, primeiro por respostas contundentes e, mais tarde, por sarcasmos ácidos. E aqui apercebi-me de que tinha esgravatado o fundo da solidão, porque corria toda a gente a ironia e sarcasmo, não poupando ninguém, nem quem estava genuinamente a meu lado de alma e coração.

Constatar que se está só no mundo porque o mundo é parvo, é duro. Mas constatar que se está só no mundo porque se é parvo, é bem pior. Mas foi isto que aconteceu. Demorei anos a perceber que estar em permanente oposição com os outros é demasiado cansativo e não me traz nada de útil. Muito pelo contrário, foi um buraco que fui escavando, escavando, sem nenhum propósito realista a não ser o de alimentar a ilusão de ter o meu orgulho intacto. As coisas que se fazem por orgulho!

Daí a mudar para uma postura de compreensão honesta das pessoas foi um salto de pardal. Hoje entendo que o mundo é composto de diferenças, a maior parte delas bem diferentes das minhas, por azar. Entendo até que tem gente que não sabe expressar adequadamente aquilo que sente e que por isso pode, sem querer, magoar alguém. E entendo ainda que eu próprio possa não saber, sempre e a toda a hora, a melhor maneira de me expressar junto dos outros. Entendo tudo tão bem mas continuo a sentir-me tão só.

 

Joel Cunha

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Alexandra Vaz

    Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde