Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

16
Mai14

Saudade (Luto – 1)

Publicado por Mil Razões...

 

Num momento em que a vida parece parar, aparece alguém a dizer-nos que “a vida continua”. Meu Deus, como é possível a vida continuar! Nesse momento tudo acontece sem que se perceba o que está a acontecer. Temos a certeza absoluta que está a acontecer a coisa mais horrível do mundo; é um sentimento de perda tão grande que não é possível mensurar nem, tão pouco, dar-lhe um significado! A presença das pessoas é tão importante!; digo: “presença”; uma presença carregada de mensagens, mas silenciosa. O silêncio faz tanta falta e tanto sentido! Não é necessário mais nada! A “anestesia”, a que algumas pessoas são sujeitas, nem sempre protege do sofrimento. O sofrimento faz parte… o percurso para reaprender a viver vai ser aquele que cada um encontra e precisa; aquele que permitirá recordar com saudade embora, em determinadas alturas, a saudade torne as cenas tão nítidas e tão verdadeiras, que se torna angustiante… mas faz parte! O caminho não é fácil de fazer. A reposição, a reestabilização e muitas palavras iniciadas por “re” vão acompanhar-nos diariamente. Onde vamos buscar a “força”? Vamos encontrá-la em nós e nos outros e também na pessoa que nos deixou. Não sei muito bem como, mas isto acontece… a força não se compra! Saudade – palavra portuguesa que não sabemos definir… tenho vindo a referir-me a ela… à saudade de pessoas mortas. E as pessoas vivas? Temos saudades de pessoas vivas? Existe o luto de pessoas vivas?  Talvez. Como se consegue fazer este luto? Existem palavras a acrescentar: desilusão e desencanto. Desilusão e desencanto, porque acreditávamos que aquela pessoa era tudo para nós; porque acreditávamos que aquela pessoa seria sempre o nosso “aconchego”; porque acreditávamos que aquela pessoa estava lá quando precisávamos e; porque acreditávamos que aquela pessoa se assemelhava muito à nossa forma de estar na vida. A dado momento, o mundo cai em cima de nós… foge-nos o chão… não é possível… como pode ser? Mas é! Inicialmente aparece a desilusão e o desencanto e, sem pensarmos muito, cai sobre nós um sentimento de perda incontrolável. Ficámos confusos… perturbados… faz-se luto de pessoas vivas? Agora digo “talvez”, com maior certeza! É difícil? Também penso que talvez seja… causa sofrimento! É um processo longo? Parece ser um processo difícil. O processo é igual ao de pessoas mortas? Não arrisco responder! Situações de perda são sempre perturbadoras e, às vezes, a saudade é MESMO MUITO ANGUSTIANTE! Pessoas vivas; pessoas mortas… as pessoas mortas estão longe; as pessoas vivas passam tantas vezes ao nosso lado!!! Como se faz quando as pessoas, pelas quais sentimos perda, passam tantas vezes ao nosso lado, vivas? Também não arrisco responder! Reaprender; rever; revisitar e; reintegrar são palavras constantes no processo de gestão da perda. Os recursos internos e externos de cada um de nós também têm de ser reestruturados (mais uma palavra com “re”…) e revisitados. A vida, depois de uma perda, é uma VIDA COM SAUDADE! O caminho faz-se; “a vida continua” mas, p.f., não me digam que “a vida continua” quando eu não consigo perceber o que está a acontecer!

 

Ermelinda Macedo

 

6 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

  • sandra

    Anotação Não te aproximes demasiadodeixa espaço pa...

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde