Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

09
Mai16

Responsabilidade etária (Responsabilidade – 16)

Publicado por Mil Razões...

Nurse-简体中文.jpg

Foto: Nurse - 简体中文

 

Responsabilidade é um conceito demasiado amplo e por isso algo confuso. O mesmo prende-se com as mais variadas facetas da vida, abrangendo as mais diversas idades, contextos, estatutos, leis, etc.. É algo de universal, transversal ao passar dos dias. Contudo na maior parte das situações, o conceito em si, mescla-se noutros nomes e noutros conceitos aproximados.

Respeito pelas regras, pelos outros. Observância das leis. Direitos e deveres. Garantia de subsistência. Limites de liberdade. Apenas exemplos.

Todos estes e infinitos mais carecem e vivem de responsabilidade. Nalguns casos tangível, noutros nem por isso. Nalguns casos individual e noutros social, grupal ou comunitária.

 

A responsabilidade, assim, ampla, é incutida desde cedo. É comunicado às crianças o que delas é esperado. O comportamento adequado, o acerto pelas regras, as notas positivas, o trabalho de casa feito. Por vezes até se preza a criança que salta etapas: “é tão responsável que parece um adulto...”.

Mas antes disso vem a adolescência. A época mais ou menos conturbada do acerto da responsabilidade, ou a falta dela. Na verdade, não há grande problema. Nesta fase, quase que a responsabilidade é mesmo pela falta dela. É expetável e compreensível que assim seja.

O mesmo já não sucede na idade adulta. Algum desconto, contudo, na fase de transição! Ser-se “jovem adulto” às vezes é coisa que dá jeito. Principalmente se o individuo conseguir levar a coisa até aos 30 anos. Responsável sim, mas q.b., que a vida só se vive uma vez. Claro que aqui um efeito diferenciador do tu podes e eu não posso é, principalmente, a existência de prole. Nesse caso, meu amigo... as coisas são como são e é bom que responsabilidade não seja algo “opcional”.

Passada esta etapa transitória chega a cristalização. Integrados os modelos de responsabilidade, por exemplo laborais, familiares, sociais, etc., o individuo encontra-se no auge da responsabilização. As desculpas acabaram-se e qualquer ato transgressor e irresponsável é tido por deliberado e por vezes antecipado. O adulto pensou e fez porque assim quis. Evidentemente que, ato contínuo, a punição/consequência está igualmente no auge. E é assim que tem de ser.

 

Preparem-se os que de nós tiverem a felicidade de chegar a velhos. A fasquia volta a baixar e como que há um retorno aos saudosos tempos idos. A concorrência idade/responsabilidade faz-se pela seguinte fórmula: quanto mais velho maior o desconto. A inversão das coisas é deliciosa. Ou perniciosa? Ainda não decidi. “Ó avozinho, você está tão “taralhoco”! Não pode andar a apalpar as enfermeiras do lar! Parece que já nem se lembra que existem regras e que tem de ser responsável!”.

Não é que tenha pressa e quanto a vocês não sei. Mas se a essa responsabilidade etária chegar, aproveitarei a época dos descontos. Assim como assim, aos 80 anos já é final de coleção.

 

Rui Duarte

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde