Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

07
Jul14

Que sabem eles do que eu sei? (Delinquência - 3)

Publicado por Mil Razões...

 

Não é a primeira vez que espera sentado naquela sala. Conhece bem os procedimentos - quando o Juiz entrar há-de levantar-se e quando lhe for pedido, em voz alta e bem pronunciado, dirá o seu nome.

Das outras vezes a espera não foi tão penosa. As situações eram diferentes, pequenos furtos, crimes sem sangue, crimes menores, ouviu dizer numa das audiências.

A sala está abafada e o ar irrespirável. Gotas de suor caem-lhe do rosto taciturno e toldam-lhe a visão. À luz intensa do sol veem-se partículas de pó que pairam silenciosas, formando um carreiro de um ao outro extremo da sala. Fixa uma pequena partícula e tenta segui-la com o olhar. Tem de matar o tempo de alguma maneira. Perdeu-a de vista, já se confunde com as outras. Não consegue perceber em que direção se movem ou se têm alguma direção, parecem-lhe movimentos aleatórios, lembram-lhe a ordem universal, milhares de partículas em movimento sem que se instale o caos. Gosta da ordem.

Um burburinho trá-lo de volta à sala. Ei-los que chegam, os justiceiros. Levanta-se.

- Jura dizer a verdade, só a verdade e não mais do que a verdade?

Nas reuniões que teve com o advogado ensaiaram perguntas e instruíram respostas. Em todo o caso não tem muito para dizer e ainda quer dizer menos que isso. Na verdade não quer dizer nada e se pudesse nem estaria ali. Fugir, é o que lhe ocorre. A espera e o frente-a-frente com o juiz e todos os que vão decidir qual vai ser o seu futuro, enfada-o. Não percebe porque é que não dizem logo o que têm a dizer e o mandam para uma cela, ou para um lugar que eles achem ser o mais adequado ao seu caso.

- Sim, juro!

Já não ouve e quer apenas ser libertado da presença daqueles emproados todos que se advogam de estar dentro da lei e de terem o direito de o julgar. Que sabem eles do que aconteceu naquela tarde? Ninguém naquela sala conhecerá algum dia as verdadeiras razões, as suas razões. Ela sim, sabia. Estava avisada e sabia que um dia aconteceria. O terror estampou-se-lhe nos olhos, quis gritar mas apenas balbuciou qualquer coisa. Pareceu-lhe um pedido de desculpa. Mas não, ela gritou-lhe na cara todo o ódio e desprezo que sentia. Não tivesse ela gritado e a desgraça quase que não acontecia. A honra de um homem limpa-se com sangue, e o dela correu em abundância.

Não quer saber o que está a acontecer ali onde tudo obedece a um ridículo ritual e onde todos parecem querer encontrar complexidade onde nada deveria ser mais simples do que fazer justiça. Julgam-no à luz da lei por ter feito justiça moral na ponta de uma bala. Saberão eles o que isso é, justiça moral, justiça que o coração dita que se faça?

Ignorantes.

Considera-se um homem simples, de condição humilde, não se eleva em conhecimentos e teorias como as que tem ouvido desde que foi detido - família desestruturada, mãe alcoólica e pai violento, o meio a influenciar uma personalidade desviante – tudo não passa de considerações teóricas, quase a justificar o ato e a acalmar a sua consciência, se ela estivesse atormentada, o que não é o caso. É tudo muito mais simples do que isso - para matar bastou-lhe o coração ferido e a honra mordiscada. O coração e a honra é que ditam as regras e ela não tinha o direito de lhe roubar um e outro. Fez o que tinha de ser feito a alguém que fez o que não devia.

- Culpado!

 

Cidália Carvalho

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde