Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

16
Mar15

Profissão de fé (Profissão - 14)

Publicado por Mil Razões...

Arco-iris.jpg

 

Andei a investigar o que é isto de ter uma profissão. Parece que é ter uma ocupação, uma atividade, um ofício do qual se retira um sustento ou um qualquer tipo de compensação. Diz que é habitual, sistemático, implica um compromisso e muitas vezes alguns sacrifícios. Obriga-nos a planear muitas coisas e afasta-nos, com frequência, da família e rouba-nos tempo de lazer.

Eu já vou, assim à vontade, na minha décima profissão; e sei que não é ainda desta vez que me sinto realizada, plena, feliz, nem a ter tempo de qualidade para aqueles com quem quero estar e a fazer aquilo que amo. Esta profissão nem sequer a escolhi, nem aceitei.

Caiu-me em cima, literalmente, como uma cruz, destino, carma ou azar, como um meteorito disparado do céu que não me deixa ainda despedir-me, bater com a porta. Há de chegar o dia e vai ser um dia muito feliz.

Algumas vezes na vida já me cruzei com pessoas que foram despedidas ou reformadas, ou dispensadas, como agora é fino dizer, e meses depois reencontrei-as com um ar espantosamente mais jovem e feliz, como se tivessem fugido da cadeia ou lhes tivessem tirado o jugo de cima. Não lhes tinha saído o Euromilhões nem tinham ficado sem preocupações. Mas pareciam outras, só porque já não estavam naquele sítio que as matava aos poucos e que não tiveram coragem de abandonar por causa das responsabilidades.

A minha profissão atual é rotineira mas imprevisível, finta-me todas as tentativas de planeamento, não me dá férias nem tréguas, faz-me sofrer física e psicologicamente, os horários estão sempre a mudar, tem uma compensação financeira incerta nas datas e nos valores, obriga-me a ser forte e às vezes leva-me ao desespero absoluto e à fraqueza total. Já me fez chorar e rir, pedir, suplicar, berrar, perder a cabeça. Já me fez ganhar empatias e perder simpatias. É uma autêntica montanha-russa de emoções, do tédio absoluto à ansiedade, da dor ao triunfo, por vezes separados, muitas vezes juntos.

Com frequência sinto-me revoltada; mas lá me convenço que, desta vez, é assim porque tem mesmo que ser.

A minha profissão, porque ninguém tem que adivinhar, é ser paciente. Há quase ano e meio que vagueio por hospitais, clínicas, centros de saúde, horas a fio, dias a fio, meses a fio, a interagir com quem quero e não quero, entre bombeiros, pessoal de secretarias, enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e afins. E vejo outros como eu, todos zombies nas mãos de outros e nos tempos e caprichos dos outros.

Há pessoas e situações que não hei de esquecer nunca, uns por bons motivos, outros por péssimos.

Mas tudo isto para nada interessa, a não ser para dizer que as profissões são muitas vezes duras e raras vezes o que sonhamos; muitas vezes impostas pelas circunstâncias e raras vezes o que amamos. Mas não há que desistir, nunca. Uma profissão há de ser, um dia, uma ocupação habitual que adoramos e que faz parte integrante da nossa felicidade.

Fica aqui então a minha insolente profissão de fé: Eu Acredito.

Acredito em mim, acredito no futuro, acredito em não baixar os braços e em ir até ao fim do arco-íris.

Vamos todos atrás dos nossos sonhos, por favor? Mesmo, mesmo, até ao último sopro, o último instante? Porque nunca é tarde para tentar, para insistir.

E viver, nem que seja um só dia.

Fui dramática demais? Peço desculpa. Ou talvez não.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde