Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

16
Mar15

Profissão de fé (Profissão - 14)

Publicado por Mil Razões...

Arco-iris.jpg

 

Andei a investigar o que é isto de ter uma profissão. Parece que é ter uma ocupação, uma atividade, um ofício do qual se retira um sustento ou um qualquer tipo de compensação. Diz que é habitual, sistemático, implica um compromisso e muitas vezes alguns sacrifícios. Obriga-nos a planear muitas coisas e afasta-nos, com frequência, da família e rouba-nos tempo de lazer.

Eu já vou, assim à vontade, na minha décima profissão; e sei que não é ainda desta vez que me sinto realizada, plena, feliz, nem a ter tempo de qualidade para aqueles com quem quero estar e a fazer aquilo que amo. Esta profissão nem sequer a escolhi, nem aceitei.

Caiu-me em cima, literalmente, como uma cruz, destino, carma ou azar, como um meteorito disparado do céu que não me deixa ainda despedir-me, bater com a porta. Há de chegar o dia e vai ser um dia muito feliz.

Algumas vezes na vida já me cruzei com pessoas que foram despedidas ou reformadas, ou dispensadas, como agora é fino dizer, e meses depois reencontrei-as com um ar espantosamente mais jovem e feliz, como se tivessem fugido da cadeia ou lhes tivessem tirado o jugo de cima. Não lhes tinha saído o Euromilhões nem tinham ficado sem preocupações. Mas pareciam outras, só porque já não estavam naquele sítio que as matava aos poucos e que não tiveram coragem de abandonar por causa das responsabilidades.

A minha profissão atual é rotineira mas imprevisível, finta-me todas as tentativas de planeamento, não me dá férias nem tréguas, faz-me sofrer física e psicologicamente, os horários estão sempre a mudar, tem uma compensação financeira incerta nas datas e nos valores, obriga-me a ser forte e às vezes leva-me ao desespero absoluto e à fraqueza total. Já me fez chorar e rir, pedir, suplicar, berrar, perder a cabeça. Já me fez ganhar empatias e perder simpatias. É uma autêntica montanha-russa de emoções, do tédio absoluto à ansiedade, da dor ao triunfo, por vezes separados, muitas vezes juntos.

Com frequência sinto-me revoltada; mas lá me convenço que, desta vez, é assim porque tem mesmo que ser.

A minha profissão, porque ninguém tem que adivinhar, é ser paciente. Há quase ano e meio que vagueio por hospitais, clínicas, centros de saúde, horas a fio, dias a fio, meses a fio, a interagir com quem quero e não quero, entre bombeiros, pessoal de secretarias, enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e afins. E vejo outros como eu, todos zombies nas mãos de outros e nos tempos e caprichos dos outros.

Há pessoas e situações que não hei de esquecer nunca, uns por bons motivos, outros por péssimos.

Mas tudo isto para nada interessa, a não ser para dizer que as profissões são muitas vezes duras e raras vezes o que sonhamos; muitas vezes impostas pelas circunstâncias e raras vezes o que amamos. Mas não há que desistir, nunca. Uma profissão há de ser, um dia, uma ocupação habitual que adoramos e que faz parte integrante da nossa felicidade.

Fica aqui então a minha insolente profissão de fé: Eu Acredito.

Acredito em mim, acredito no futuro, acredito em não baixar os braços e em ir até ao fim do arco-íris.

Vamos todos atrás dos nossos sonhos, por favor? Mesmo, mesmo, até ao último sopro, o último instante? Porque nunca é tarde para tentar, para insistir.

E viver, nem que seja um só dia.

Fui dramática demais? Peço desculpa. Ou talvez não.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    sabe o que mais gosto é viver a vida com plenitud...

  • Anónimo

    Uma outra leitura, numa outra oitava, do mesmo art...

  • Anónimo

    ...estamos a ficar cegos para o amor...

  • Teresa Teixeira

    :)OS TEUS OLHOS SÃO MAIS VERDES QUANDO CHORASOs te...

  • Teresa Teixeira

    Um abraço e um brilho.

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde