Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

07
Nov16

O que permanece (Herança – 14)

Publicado por Mil Razões...

Brothers-AdinaVoicu.jpg

Foto: Brothers – Adina Voicu

 

A herança pode ser uma coisa fantástica, se falarmos daquelas comédias em que alguém fica milionário com uns milhões vindos de um tio-avô esquecido, ou de um primo em sabe-se lá que grau. Mas isto é o lado superficial ou fútil da questão, aquele que não é importante nem determinante para as nossas vidas.

A verdadeira herança é outra coisa, é quem somos e como somos e a compreensão que temos do mundo por causa daqueles que nos criaram e daqueles que passaram pelas nossas vidas.

Nem sempre são coisas boas, porque os outros são como nós, ou seja, não são perfeitos. Para complicar, a herança não é só feita de palavras e gestos. É muito mais o resultado do que observamos enquanto crescemos, a soma inexata dos exemplos que nos foram oferecidos enquanto crescemos e nos moldamos.

Interessa mais o que nos dizem ou o que fazem e o que nos fazem? Tem mais impacto o que vemos ou o que ouvimos? Há situações com um impacto tão profundo nas nossas vidas que nunca mais dele nos livramos.

Um filho que é fisicamente maltratado ou verbalmente abusado, como se torna numa pessoa meiga e gentil? Uma filha com uma mãe ansiosa aprende onde a ser calma e tranquila? O que nos ensinam pais, avós, tios, mentores e outros que tal, para nos preparar para a vida, a nossa vida? Não a que imaginaram ou esperaram para nós mas aquela que vivemos porque somos únicos e temos sonhos próprios, esperanças diferentes, aquela que nos faz bater de cara na parede muitas vezes, porque tem que ser e na realidade só aos trambolhões aprendemos qual o caminho que desejamos.

Herdamos manias, tiques, agimos muitas vezes de formas que nos tolhem, porque não podemos desiludir quem nos ajudou a crescer. Dizer não, ou apenas nada dizer, a quem nos fez nascer, nos mudou fraldas e deu a primeira papa, é muito duro. Sentimo-nos a falhar às suas expetativas e a ser mal-agradecidos. E quando a vida é madrasta e nem a infância foi simpática e amena, ainda assim estamos sempre em busca dessa aprovação. Como se sem ela não fossemos nada e nenhum dos nossos passos tivesse valor. Como eternas crianças, bem lá no fundo.

 

Aquilo que mais tenho procurado é ser eu mesma e viver a minha vida como desejo; é um caminho arriscado porque estamos mais expostos a críticas. E quando falhamos? Como dizia a minha avó, Deus nos livre e guarde. A dado momento pivotal da nossa passagem pelo planeta, temos mesmo que decidir se conseguimos, ou não, ser a ovelha negra da singularidade familiar.

Não tenho como negar que muitas recordações aconchegantes se estendem pela minha infância e adolescência; e depois há outras mais complexas e que, falando claramente, dispensava. Mas tudo isso é a minha herança e a partir dela já me construí e reconstruí inúmeras vezes. Não só com sucessos, nem sempre com sorte, mas com uma profunda convicção.

A nossa herança é tudo o que nos deram, mais do que tudo o que nós damos aos outros. Os que nos amam devem compreender isso. Os pais devem saber quando passar de redoma para malha de segurança; devem saber quando nos largar ou quando nos apanhar. Os irmãos devem saber quando passar a amigos em vez de rivais. O resto da malta deve saber quando nos deixar voar e respeitar a nossa essência.

Não é nada fácil, eu sei. Mas o Amor genuíno é assim.

Amor sem aceitação, não é amor. Mesmo quando parece.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde