Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

11
Jun14

O luto é a saudade (Luto – 12)

Publicado por Mil Razões...

 

Não sei bem quando vi a Morte pela primeira vez. Segundo as minhas contas terá sido a do meu Avô. A mulher dele, minha Avó, exigiu-me o preto por dias. Os meus pais não rebateram. Eu tinha dez anos.

A sensação do luto, esse sentimento ligado a uma perda, normalmente trazendo com ela dor e angústia - eternas enquanto duram - não entra na minha casa. Nunca morou em mim. Não concebo viver um luto. Sei que não é racional, é emocional; para mim é todo um corpo e uma alma a avançarem para um caminho escuro, negro, cancerígeno, até a um fim – seja qual for a vantagem ou a desvantagem desse final. Tal como uma carta com um esqueleto quando lançamos o destino dos outros, o fim não implica Morte. A Morte não implica fim. O luto pode ser limpeza. O luto deve ser limpeza. O luto deve ser respeito. O luto não é só o preto ou o branco das calças e do casaco.

Mas o luto não habita em mim. Nunca habitou. Sou das que cai das falésias e se esmaga no chão agreste de terra batida e não enluta. Sou das que ouve (quantas vezes, Vida, te ouvi a anunciares-me isso?!) “Quero preparar-te para uma notícia: ele morreu.” “Sofia, ela está morta.” Ouvi vezes sem fim a Morte nas palavras das notícias dos outros. Nunca fiz luto. Limpei cadáveres e beijei-os na cara. No dia seguinte não mais me lembrei deles.

Por vezes pergunto-me se não deveria assumir um pouco o papel da carpideira chorosa. Reconheço que me perco na minha própria (in)sensibilidade. Vou para casa pensar nela. Não sofro a perda de um familiar, de um cão, de um emprego. Sofro mais por quem não nasceu, pelo que não nasceu, por aquilo que nem ousei que se criasse. Creio que o meu maior luto será mesmo o luto pelos sonhos não cumpridos, pela estrada que não segui, pelo livro que escrevi e que esqueci na gaveta das memórias sem interesse.

Não sei se por defesa se por ciclos fechados, a verdade é que vivi sempre intensamente a Vida mas nunca a Morte do que tive e de quem tive. Um pouco como o autocarro seguinte que passa minutos depois de perder o atual. Faz-me bem pensar que sigo em frente, nariz empinado e costas direitas.

Sou quem recusa o luto: o luto da geração atual, das doenças do século, da política que escolhemos, do meu País moribundo. Sou das que abraça o luto dos outros, que limpa as lágrimas nas saudades dos amigos que precisam, sou a força da dor de quem se abale na Morte em si e no Luto seu.

Mas não enluto. Nem no meu Avô o fiz, mesmo desrespeitando veemente o que a minha Avó desejava.

Quando um dia chegar a Morte também a quero assim: nua, crua, fria. Que abracem quem de facto me amou. E que sigam o seu caminho sem mim. E sem luto. Porque nada se perde e tudo se transforma.

E a Vida é tão mais bonita que a Outra… Até a palavra é mais melodiosa. E essa sim, habita em mim com a luminosidade e força de quem move as montanhas.

Concretiza. Concretiza sempre! Concretiza em todos os projetos que avançares na tua Vida. E o luto será apenas uma palavra que, provavelmente, se transformará em Saudade.

 

E assim mesmo o digo, em honra da saudade do meu Avô.

 

Sofia Cruz

 

2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde