Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

27
Jun14

O luto e a diferença (Luto – 19)

Publicado por Mil Razões...

 

O nascimento de um filho é uma experiência única. Nesta, os pais são confrontados com sentimentos novos e contraditórios, tais como curiosidade, ansiedade, alegria, medo, etc.. Lidar com nascimento do filho “perfeito” não se apresenta como problema. Contudo, quando o filho nasce com deficiência ou malformação, assiste-se a uma dura prova para os pais, bem como a uma ameaça às suas crenças e expetativas sobre o bebé que fantasiavam e idealizavam. Ora, nesta fase primordial da idealização assiste-se à projeção parental durante a gestação da criança bonita e perfeita. Geram-se expetativas do futuro próximo e distante (gratificações e recompensas que vão obter), e o futuro lugar da criança na família é regulado por essas expetativas. Nesta fase inicia-se também a Pré-história da vinculação (Brazelton & Cramer, 1989), e é no processo vinculativo que se começam as organizar as qualidades relacionais fundamentais para a vida da criança.

De referir que a idealização não se estrutura apenas de coisas boas e positivas dado que se observam ansiedade, preocupações, angústias, receios, medos e fantasmas.

E quando há notícia da criança “imperfeita”? Bom, o seu impacto é violento, imprevisível (criança idealizada vs. criança real) e depende de mecanismos psicológicos e do ajustamento pessoal à forma como a notícia / diagnóstico é dada (Coutinho, 1997, in Brandão, 1999). Esse primeiro impacto parece condicionar, a longo prazo, as atitudes parentais e a capacidade de aceitação como referem os estudos de Cunningham, Morgan e McGuken (1984, in Brandão 1999).

Ele varia igualmente em função da relação familiar, ou seja: a mãe apresenta maiores níveis de stress; O pai aumenta níveis de stress e utiliza mais frequentemente estratégias de fuga e evitamento; Impacto positivo nos irmãos que desenvolvem competências sociais (Meyer e Vadasy, 1994, in Pereira, 1996); Duplo desgosto nos avós, pelo neto e pelos filhos (Fewell, 1986, in Craveirinha, 2003).

O que implica então um diagnóstico desta ordem? A aceitação de um filho com deficiência exige uma reorganização dos valores e objetivos da família (Amiralian, 1986), não sendo transitória e prolongando-se no tempo.

Verificam-se ainda alterações no casal, dado que aumentam o número de tarefas a realizar (Beckmam-bell, 1980, in Pereira, 1996), assim como potencialmente as situações de conflito. Contudo, em determinados casos, esta necessidade de partilha fortalece o casal. O conflito no casal pode advir dos cuidados diários da criança, das responsabilidades económicas acrescidas, da dificuldade nos acesso aos serviços de apoio e da fadiga e ausência de tempos livres e de lazer (Gupta & Singhal, 2004).

O que encontramos como exemplos de adaptação? Uma vida mais significativa e enriquecida; existência de sentimentos positivos e a consciência de um profundo crescimento pessoal, contribuição para a coesão familiar e a qualidade de vida dos membros da família. Saliente-se que existem variáveis a ter em conta na adaptação:

>  O efeito da deficiência na família depende do tipo da mesma

>  Se a evolução da deficiência é progressiva ou estacionária

>  Se é uma deficiência com final trágico e irreversível

>  Grau e tipo de incapacidade que produz

>  O significado que cada família atribui à deficiência

>  O nível sociocultural da família e de cada pessoa

>  Personalidade e capacidade de adaptação de cada um

>  As experiências pessoais vividas

>  Desequilíbrios familiares preexistentes

>  Não reconhecimento do diagnóstico ou necessidades da criança

>  Famílias com escassas ou nulas redes de apoio

 

Ok... e agora pergunta-se: O que tem a ver a deficiência com o luto?

Os pais da criança deficiente atravessam um período de luto, associado à perda do “filho idealizado” (Correia e Serrano, 1997). Na verdade definem-se mais ou menos as mesmas fases por que passam as pessoas quando perdem algo de muito significativo (O’hara e Levy, 1984, in Correia e Serrano, 1997), mas este luto não segue uma ordem lógica de fases específicas, podendo contudo ser diferenciadas. Aqui ficam elas:

Choque – confusão e desorganização;

Negação – esta é uma estratégia de coping temporária. Alguns pais procuram outro diagnóstico que seja mais favorável. Estado de incredulidade. É o tempo necessário para desgastar o impacto inicial do sonho quebrado, para descobrir as forças internas, para confrontar a realidade e para encontrar os recursos para tratar a crise;

Raiva – Os pais procuram a causa da deficiência. Sentimentos de culpa, depressão, ansiedade, solidão, medo e hostilidade. Afastamento dos contactos sociais e das suas rotinas. Ao contrário dos outros estados do sentimento de luto, a raiva é dirigida para alguém ou algo. Quem (ou quê) é o objeto da raiva parental?;

Tristeza – Pode acontecer associada à depressão. A tristeza mais ou menos profunda pode permanecer durante bastante tempo, coexistindo com outros sentimentos;

Reorganização – Nesta fase aparece a esperança;

Adaptação – Entram na fase de aceitação da criança com deficiência. Procuram fazer algo para ir ao encontro das necessidades especiais desse elemento da família e integrá-lo definitivamente como o ser único que é.

 

Rui Duarte

 

1 Comentário

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde