Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

27
Jun14

O luto e a diferença (Luto – 19)

Publicado por Mil Razões...

 

O nascimento de um filho é uma experiência única. Nesta, os pais são confrontados com sentimentos novos e contraditórios, tais como curiosidade, ansiedade, alegria, medo, etc.. Lidar com nascimento do filho “perfeito” não se apresenta como problema. Contudo, quando o filho nasce com deficiência ou malformação, assiste-se a uma dura prova para os pais, bem como a uma ameaça às suas crenças e expetativas sobre o bebé que fantasiavam e idealizavam. Ora, nesta fase primordial da idealização assiste-se à projeção parental durante a gestação da criança bonita e perfeita. Geram-se expetativas do futuro próximo e distante (gratificações e recompensas que vão obter), e o futuro lugar da criança na família é regulado por essas expetativas. Nesta fase inicia-se também a Pré-história da vinculação (Brazelton & Cramer, 1989), e é no processo vinculativo que se começam as organizar as qualidades relacionais fundamentais para a vida da criança.

De referir que a idealização não se estrutura apenas de coisas boas e positivas dado que se observam ansiedade, preocupações, angústias, receios, medos e fantasmas.

E quando há notícia da criança “imperfeita”? Bom, o seu impacto é violento, imprevisível (criança idealizada vs. criança real) e depende de mecanismos psicológicos e do ajustamento pessoal à forma como a notícia / diagnóstico é dada (Coutinho, 1997, in Brandão, 1999). Esse primeiro impacto parece condicionar, a longo prazo, as atitudes parentais e a capacidade de aceitação como referem os estudos de Cunningham, Morgan e McGuken (1984, in Brandão 1999).

Ele varia igualmente em função da relação familiar, ou seja: a mãe apresenta maiores níveis de stress; O pai aumenta níveis de stress e utiliza mais frequentemente estratégias de fuga e evitamento; Impacto positivo nos irmãos que desenvolvem competências sociais (Meyer e Vadasy, 1994, in Pereira, 1996); Duplo desgosto nos avós, pelo neto e pelos filhos (Fewell, 1986, in Craveirinha, 2003).

O que implica então um diagnóstico desta ordem? A aceitação de um filho com deficiência exige uma reorganização dos valores e objetivos da família (Amiralian, 1986), não sendo transitória e prolongando-se no tempo.

Verificam-se ainda alterações no casal, dado que aumentam o número de tarefas a realizar (Beckmam-bell, 1980, in Pereira, 1996), assim como potencialmente as situações de conflito. Contudo, em determinados casos, esta necessidade de partilha fortalece o casal. O conflito no casal pode advir dos cuidados diários da criança, das responsabilidades económicas acrescidas, da dificuldade nos acesso aos serviços de apoio e da fadiga e ausência de tempos livres e de lazer (Gupta & Singhal, 2004).

O que encontramos como exemplos de adaptação? Uma vida mais significativa e enriquecida; existência de sentimentos positivos e a consciência de um profundo crescimento pessoal, contribuição para a coesão familiar e a qualidade de vida dos membros da família. Saliente-se que existem variáveis a ter em conta na adaptação:

>  O efeito da deficiência na família depende do tipo da mesma

>  Se a evolução da deficiência é progressiva ou estacionária

>  Se é uma deficiência com final trágico e irreversível

>  Grau e tipo de incapacidade que produz

>  O significado que cada família atribui à deficiência

>  O nível sociocultural da família e de cada pessoa

>  Personalidade e capacidade de adaptação de cada um

>  As experiências pessoais vividas

>  Desequilíbrios familiares preexistentes

>  Não reconhecimento do diagnóstico ou necessidades da criança

>  Famílias com escassas ou nulas redes de apoio

 

Ok... e agora pergunta-se: O que tem a ver a deficiência com o luto?

Os pais da criança deficiente atravessam um período de luto, associado à perda do “filho idealizado” (Correia e Serrano, 1997). Na verdade definem-se mais ou menos as mesmas fases por que passam as pessoas quando perdem algo de muito significativo (O’hara e Levy, 1984, in Correia e Serrano, 1997), mas este luto não segue uma ordem lógica de fases específicas, podendo contudo ser diferenciadas. Aqui ficam elas:

Choque – confusão e desorganização;

Negação – esta é uma estratégia de coping temporária. Alguns pais procuram outro diagnóstico que seja mais favorável. Estado de incredulidade. É o tempo necessário para desgastar o impacto inicial do sonho quebrado, para descobrir as forças internas, para confrontar a realidade e para encontrar os recursos para tratar a crise;

Raiva – Os pais procuram a causa da deficiência. Sentimentos de culpa, depressão, ansiedade, solidão, medo e hostilidade. Afastamento dos contactos sociais e das suas rotinas. Ao contrário dos outros estados do sentimento de luto, a raiva é dirigida para alguém ou algo. Quem (ou quê) é o objeto da raiva parental?;

Tristeza – Pode acontecer associada à depressão. A tristeza mais ou menos profunda pode permanecer durante bastante tempo, coexistindo com outros sentimentos;

Reorganização – Nesta fase aparece a esperança;

Adaptação – Entram na fase de aceitação da criança com deficiência. Procuram fazer algo para ir ao encontro das necessidades especiais desse elemento da família e integrá-lo definitivamente como o ser único que é.

 

Rui Duarte

 

1 Comentário

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Querida Cidália, grata pelo teu tempo e pelas tuas...

  • Cidália Carvalho

    Apenas para me identificar no comentário anterior ...

  • Anónimo

    Mais um belíssimo texto, escrito com a mestria de ...

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde