Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

19
Set16

O jogo que todos jogamos (Jogo – 14)

Publicado por Mil Razões...

Argument-RyanMcGuire.jpg

Foto: Argument – Ryan McGuire

 

Segundo a tradição oriental, a garganta representa o Centro da Verdade e quem fala sempre a verdade acaba por desenvolver a capacidade de materializar aquilo que diz.

Porém, por medo, a maior parte de nós não é verdadeiro. Por alguma razão, geralmente é o MEDO, entramos num jogo deveras interessante para os psicólogos e sociólogos e outros que tais, mas profundamente doentio para o self. O jogo de que falo é o Jogo da Manipulação. As regras parecem simples e a piada do jogo é que os trunfos de que dispomos têm que ser jogados com subtileza. No fundo todos sabemos que é um jogo, quais são os trunfos e esquemas de cada um, mas fazer de conta que não sabemos e que não jogamos torna tudo mais grupal. Então eis as regras:

. Criticar: esta parte do jogo é a que consiste em desfazer os outros em mil pedaços. Falar mal, acusar, manipular parece a técnica perfeita para quem se sente inferior aos outros. Parece resultar porque enquanto desviamos a atenção de todas as outras pessoas para aquele que estamos a criticar, ninguém repara nos nossos defeitos. O facto de aqueles que acusamos serem o espelho dos nossos problemas não interessa para nada. O que interessa é jogar o jogo e quanto mais perfeito se é.

. Mentir: é muito mais fácil gostar de nós segundo aquilo que desejamos e esconder dos outros o que não é interessante. É como um pequeno teatro no qual somos simultaneamente realizadores, atores, assistentes de produção, etc.. Cansativo, mas vale a pena. Se os outros acharem que somos perfeitos, então é porque somos. Ah, e se não estiver a resultar totalmente, podemos sempre usar outra estratégia do jogo – culpar o outro. Pode ser a mãe, o pai, a professora primária, o vizinho. Qualquer um, desde que não tenhamos que ser os responsáveis pelas nossas escolhas.

. Discutir: esta regra é bastante usada. Parece estar entre as favoritas do Jogo. Consiste em espalhar aos quatro ventos o nosso humor cáustico. E, de preferência, aproveitar todas as oportunidades para atacar uma pessoa ou situação. Lá porque se perde imensa energia e tempo com este procedimento, não interessa. O importante é que discutir é uma razão para a pessoa se sentir viva e disfarça muito bem o quanto estamos zangados connosco. Portanto vale ou não o esforço?

. Amuar: é uma regra que é prima da agressividade. A diferença é que é uma agressividade disfarçada, perfeita para quem quer ser perfeito! Afinal é muito mais fácil ficar à espera que alguém adivinhe o que nos perturba. E se ninguém adivinhar, o que é incrível, depois de todos os sinais que achamos que deixamos, então isolámo-nos, calamo-nos, a ver se resulta. Sabotar a necessidade de intimidade é altamente eficaz no jogo da manipulação. Que o digam as crianças.

 

Estas são as principais Regras do Jogo.

E que atire a primeira pedra aquele que nunca o jogou. Pois, o problema é que é um Jogo Doente.

Por hoje, só por Hoje, esteja atento a si mesmo. Sinta-se. E pare cada vez que sentir que vai Jogar. Se quer um Jogo mais interessante, eu falo de outro. Até tem menos regras. Tem só uma regra, apesar de ser a mais difícil. Aqui vai:

. SEJA VERDADEIRO CONSIGO!

 

Sara Almeida

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde