Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

21
Jul14

No fio da navalha (Delinquência - 9)

Publicado por Mil Razões...

 

Qual é a fronteira a partir da qual eu estou a delinquir? A cometer um delito?

A pergunta não me parece ter uma resposta difícil, ao contrário ocorrem-me de imediato várias situações em que estou fora da lei: se estou a conduzir um automóvel e piso o risco contínuo ou ultrapasso prolongadamente o limite de velocidade; se vou a uma feira e levo algo sem pagar. Estas respostas, não tenho grandes dúvidas, são de aceitação generalizada e evidente. Acho que posso apostar que “toda” a gente acha que estes são delitos que muitos de nós cometemos.

E quando abro o vidro daquele mesmo automóvel e atiro com um papel para a via pública? Ou quando venho cá fora à porta do edifício onde trabalho, ou do restaurante, para fumar e atiro com o resto do cigarro direitinho para o chão? Quantos acham que eu sou um delinquente? Ou, tão só, um pequeno infrator?

Bem, seja mais ou menos evidente ou de aceitação generalizada, que se está perante um ato de delinquência, a pergunta seguinte é: está bem, todos praticamos um ou outro delito e até com alguma frequência, mas a partir de quando é que passamos a carregar com o estatuto de delinquente?

  [parto do conceito de que delinquência é uma prática individual, personalizada, mesmo que a causa seja social]

Acredito numa sociedade de e com valores, direitos e deveres, organizada democraticamente, baseada no exercício da cidadania.

Dito isto, ainda tenho mais uma pergunta: a delinquência, a prática de delitos de maior ou menor dimensão, é sempre e em qualquer circunstância negativa?

Por vezes, ainda que não possa servir de escudo para tudo, delinquir não poderá ser um fator de evolução de progresso?

  [pois, as fronteiras, o como, o quem, o porquê e para quê...]

 

Jorge Saraiva

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Querida Cidália, grata pelo teu tempo e pelas tuas...

  • Cidália Carvalho

    Apenas para me identificar no comentário anterior ...

  • Anónimo

    Mais um belíssimo texto, escrito com a mestria de ...

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde