Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

30
Mai16

Não chega amar por dois (Dar e receber - 7)

Publicado por Mil Razões...

Girl-AdinaVoicu.jpg

Foto: Girl – Adina Voicu

 

Nenhum terreno lavrado pela mentira pode ser resgatado. Cada dia a mais nessa demanda corrói a esperança e a alegria, reduzindo-as a cinzas na alma. Não há harmonia no livro guardado na prateleira, outrora um dos nossos favoritos, agora com várias páginas dobradas, reescritas pelo punho de quem nada sentiu. Nenhuma história está verdadeiramente terminada sem integridade, sem paz de espírito. Ainda que dilacere, há nobreza na verdade; só assim é possível curar, sobretudo aquilo que nunca nos pertenceu. Viver na mentira é como viver um luto sem morto para sepultar. Nenhuma cama é confortável, ou embala o sono de cada dia, quando se enfrenta a revolta e a dor. Somam-se noites vazias. Sem sonhos, sem vontades, mas sem pesadelos. Pode até ser suficiente, durante um tempo de perplexidade e torpor, mas não tem uma chancela vitalícia. Só se o permitirmos.

Não é preciso perpetuar o sofrimento, mesmo que este pareça irreversível, mas é preciso escolher sair dele. Ainda que doa. É preciso querer caminhar, para qualquer lado, nem interessa muito bem para onde ou porquê; mas andar em frente, sair dali, daquele terreno movediço onde nada de bom acontece. É preciso deixar ir a incongruência que mina a vida. É preciso virar as costas, sem pensar demasiado e perceber que tudo vai ficar bem. Viver a paz que vem de dentro significa amar cada oportunidade de crescimento e renascer na essência que, afinal, não pode ser destruída por forças externas.

 

Um dia, o vazio contínuo da noite vai ser preenchido por borboletas coloridas, uma sensação de incrível bem-estar e a certeza de que se está vivo. Nesse dia, o terreno antigo, já não fará falta nenhuma. Agora estéril, repousará nas memórias tristes do passado, que tempo algum poderá apagar, mas não fará parte do presente. Quando os pés nos levarem noutra direção, é possível que ali, mesmo ao lado, esteja outro terreno, preparado para dar e receber vida. Pode até ter estado ali o tempo todo mas que interessa isso, quando se perdeu tempo tão precioso a tentar resgatar o que já tinha escolhido morrer? Não há reciprocidade no egoísmo, não chega amar por dois na ausência da gratidão e da lealdade. Todavia, não foi tempo perdido. Há, com certeza, muito a aprender com tudo isto.

O terreno árido de cada um de nós permanece até conseguirmos fechar o ciclo e para nos lembrar a coragem que nasceu connosco: afinal, fomos capazes de sobreviver a tudo o que já vivemos até hoje. Para trás, deixamos os medos que não escolhemos ter e o luto da alma. Sabemos que estamos no caminho certo quando já não temos vontade de olhar para trás, sobretudo nos momentos de maior vulnerabilidade. Cada dia em frente traz uma profunda gratidão pelas batalhas enfrentadas e vencidas, por cada cicatriz que nos lembra o quão forte é a nossa essência e aquilo que merecemos. E só quando nos permitimos o que merecemos, atraímos o que precisamos.

 

Alexandra Vaz

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde