Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

16
Abr14

Memórias da infância esquecida (Infância – 7)

Publicado por Mil Razões...

 

Falar de Infância por parte de um adulto é falar de saudade. Seja qual tenha sido a experiência de cada um, há sempre algo de saudade. Nem todas as infâncias foram felizes, mas houve em todas, num dado momento, um pingo de Inocência. E nessa Inocência, está para mim o conceito de Infância. A inocência que desperta a curiosidade, o espanto, o ar de maravilhado, o ar de desapontado, a descoberta, o crescimento. O olhar para o mundo como se tudo fosse uma descoberta, uma novidade. As conclusões brilhantes de tão simples e banais que eram, sem necessitarem de um raciocínio lógico-matemático, mas pura ligação de pontos de uma observação do que está diante dos olhos. E com as coisas complicadas, como às vezes, as falas dos adultos representavam e que nada se percebia, a imaginação ajudava sempre com um cenário espetacular! Tipo: “Não vale a pena chorar pelo leite derramado”, e lá íamos nós pela imaginação fora a pensar “qual leite, se estou a chorar porque perdi a borracha cor-de-rosa?”. E na cabeça só ficava a imagem de uma mesa a derramar leite, que pingava até ao chão. E bastava a seguir encolher os ombros e ir jogar à macaca, como se fossemos os maiores acrobatas! E assim, se descomplicava o complicado!

E aquelas vezes em que, em retrospetiva, nos vemos na nossa dimensão tão pequena, a ter uma perspetiva do mundo completamente diferente e tudo nos parecia enorme. A porta que era do tamanho de um gigante, o quintal que mais parecia uma quinta, as pernas debaixo da mesa altíssima, as coisas inantingíveis. E quando, na nossa pequenez, na rotina diária, seguíamos agarrados às mãos do pai, que no seu passo apressado, esquecido já da sua meninez, nos arrastava passeio fora em direção a uma meta, como a paragem do autocarro? Era uma prova de velocidade, que hoje nos parece o mais banal dos ritmos. Mas, na altura, só pensavamos em não perder o balanço, no meio de tanto tropeço.

Adoro olhar para trás e recordar todos os bons momentos que marcaram a minha infância, mesmo os mais simples.

Adoro o modo como as crianças olham para as coisas, para a realidade, como pensam com a sua tão fértil imaginação. Como fintam a inteligência dos adultos com perguntas sem constrangimentos, apenas sedentas de curiosidade. Como não optam pelo complexo para exprimir o simples. Como não se escondem em racionalizações, e sentem com verdade. Como fazem do mundo, um lugar à sua maneira.

O tempo passa, o crescimento dá-se, e toma-se outra perspetiva. Deixamos de olhar de baixo para cima, de olhar em redor, e passamos a olhar só para cima. Para onde temos de chegar. Ao topo. Para onde nos fazem sentir obrigados a estar. No topo. Para onde não podemos ousar olhar. Para baixo. Tentamos seguir de cabeça erguida, e, por vezes, esquecemos de olhar com diferentes perspetivas. Esquecemos de olhar o mundo com curiosidade. Esquecemo-nos de tentar esticar-nos nas pontas dos pés e ver mais adiante, mais além do que é visível, tal como uma pequena criança. Deixamos de acreditar que tudo é possível. Daí a insistência do aviso: “não deixes morrer a criança que há em ti”, porque só ela te levará mais longe, mais perto da tua essência.

 

Cecília Pinto

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde