Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

14
Abr14

Eu nunca fui criança (Infância – 6)

Publicado por Mil Razões...

 

A contemplação do fogo acalma-nos, conduz-nos a um estado de hipnose que convida à reflexão, aplaca os nossos demónios e gera consensos. São marcas imemoriais gravadas nos genes, um legado dos nossos antepassados que viviam em cavernas, que no seu interior ficavam retidos por longos períodos de tempo e que tinham a fogueira por centro das suas vivências.

Lentamente, o fogo consumia a enorme raiz de oliveira e fazia-nos chegar um calor poderoso e envolvente. Vértice dos nossos olhares, a lareira do hotel autorizava o silêncio. Não havia entre nós qualquer ponto de contacto para além dos que decorriam das obrigações profissionais e na minha mente começaram a dançar palavras para o definir. Iam e vinham num rodopio que acompanhava o evoluir das chamas. De súbito, estabilizaram, formando um conjunto que me pareceu ajustado. Tosco, grosseiro, áspero, rude. BOÇAL. Boçal surgia em maiúsculas e assim me parecia que deveria ser. BOÇAL. Boçal em letras de fogo, maiúsculas, encaixilhadas pelo granito da lareira.  

- A minha família era muito pobre. Miserável. Dormíamos em velhos colchões de folhelho e nos dias rigorosos de inverno, quando o frio era tal que me impedia de dormir, eu ia deitar-me junto da nossa vaca. Mas mesmo nesses dias em que o vento trespassava as pedras nuas da casa, logo que o dia raiava, a minha mãe, único adulto da família, vinha junto a mim lembrar-me que era preciso apanhar a erva para os animais. E lá ia eu, pequeno e frágil, tiritando de frio e a cambalear de sono, descalço, segurando a foucinha numa mão e esfregando os olhos com a outra. Terminada a cega, calçava os socos e ia para a escola. Lembro-me, como se fosse hoje, do último gesto antes de entrar na aula: usava as mangas da minha jaqueta, dos ombros até aos punhos, para limpar o ranho que me escorria até à boca. E lembro-me de não ter forças para correr ou saltar, nem ter vontade de o fazer. De olhar para um pião ou para um arco e uma gancheta e os achar objetos estúpidos, inúteis, sem sentido. E lembro-me de ter fome e da dor que a fome me causava.

As chamas da lareira tornaram-se difusas e cada vez mais distantes. Um frio fino e cortante atravessou o meu corpo e eu senti-me desconfortável. E frágil. Os nossos olhares encontraram-se e assim ficaram por alguns momentos, num daqueles raros instantes em que duas pessoas se sentem completamente ligadas mas sós no mundo.

- Sabe, eu nunca fui criança.

 

José Quelhas Lima

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde