Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

15
Mar15

Entre o querer e o ser (Profissão – 13)

Publicado por Mil Razões...

QuandoForGrande.jpg

 

”O que queres ser quando fores grande?” é a pergunta levada à exaustão durante a infância. Crescemos, seguimos o nosso caminho, acabamos na faculdade, ou não, mas somos o que queremos ser, a nível profissional?! Temos as ferramentas necessárias para decidir, nessa altura, o caminho que tomaremos, três, cinco anos mais tarde?! Se calhar, não…

Ainda assim, temos, supostamente, o poder da escolha. Mas o estudo nem sempre nos leva à profissão nessa área. O menino que estudou para ser engenheiro, hoje trabalha num restaurante. A menina que estudou para ser jornalista, hoje trabalha numa loja. Empregos, esses, dignos como qualquer outro. Mas o sonho, a vontade, o querer ficou adiado. A profissão, o ofício que desempenha, fica apenas pelo ser, o querer passa para segundo plano. Desempenha-a por obrigação ou por necessidade, porque tem contas para pagar… não por vontade, ou sequer por vocação. É o tem que ser e, como se costuma dizer, o que tem que ser tem muita força. Nos entretantos perde-se a magia, perde-se a realização profissional, porque não há lugar para todos e, às vezes, nem sequer para os melhores. E a pergunta “O que queres ser quando fores grande?” perde a inocência e o entusiamo de outrora, quando se respondia: “Quero ser bombeiro. Quero ser astronauta. Quero ser cabeleireira.” O “quero ser” dá lugar ao “sou”, mas nem sempre com a palavra, ou com a profissão, que gostava que lhe seguisse. Não quer dizer que não dê o melhor na função que desempenha, mas acaba por faltar sempre qualquer coisa: sentir-se preenchido, realizado! No fundo, feliz! E a frustração acaba por ser um sentimento que vai crescendo… “Sou empregado de mesa, porque preciso de pagar contas” e não “Sou empregado de mesa, porque adoro o contacto com as pessoas”. Profissionalmente e, consequentemente, pessoalmente, fica-se pela metade, vive-se nos entretantos… E a pergunta “O que queres ser quando fores grande?” já deixou de fazer sentido.

 

Sandra Sousa

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde