Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

25
Set15

Em desassossego (Consciência – 18)

Publicado por Mil Razões...

Manguito.jpg

 

Minha alma é uma orquestra oculta; não sei que instrumentos tangem e rangem, cordas e harpas, tímbales e tambores, dentro de mim. Só me conheço como sinfonia.

Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

 

A Consciência, é o quê?

Dizem-me que já estive sem ela e deve ser verdade porque há seis dias na minha vida que, para mim, não existem. Ou por outro lado, pelas consequências que tiveram tenho a certeza que infelizmente existiram. Se fosse só pelos relatos, orais e escritos, duvidaria até hoje. Mas não, o meu corpo e a minha mente repetem-me constantemente e implacavelmente que sim, que embora “Eu” não estivesse lá, estava. Depois seguiram-se mais seis dias em que, na maioria das opiniões dos outros, terei continuado sem consciência, porque estados de coma, ainda que induzidos e de sedação profunda, levam-nos daqui para fora.

Diz o magnífico António Damásio, no seu Livro da Consciência, que a consciência é um estado mental em que temos conhecimento da nossa existência e da existência daquilo que nos rodeia. E, se bem o entendi, nem a dormir temos consciência. A consciência, continua Damásio, é o estado mental particular que inclui o conhecimento de que a dita existência ocupa uma certa situação. Antes que alguém adormeça de tédio, perdendo portanto a consciência, vou parar de citar autores brilhantes e de repetir incessantemente a palavra “consciência”, está bem?

 

Com tudo isto queria chegar apenas ao que sinto e ao que penso, depois de um hiato na minha existência (se estamos inconscientes, estamos vivos?). E a esse nível, falhando-me certamente conhecimentos científicos mas com o impulso da minha experiência pessoal, acho que tudo se resume a sabermos que somos.

Se aqui estou hoje a escrever este texto é, seguramente, porque mesmo “em coma”, ou coisa do género, senti sempre que era eu, fosse lá essa pessoa quem fosse. E que havia pessoas que amava e que ainda precisavam de mim; uma delas a sussurrar ao meu ouvido, teimosamente e contra todas as lógicas aplicáveis ao meu corpo e à minha mente, que voltasse, que recuperasse a nossa vida, que estava ali à minha espera. Durante os dias que se seguiram, ignorando a medicina e os maus augúrios que pairavam em atos e palavras, essa pessoa não desistiu. E eu, teimosa e empenhada, sabendo que não estava só, fui voltando. Ainda estou a voltar. Como me disse uma terapeuta, recentemente, o meu corpo agora é como um filme: tem várias sequelas. Eu ri-me a bom rir, não só porque adoro piadas como também só tenho motivos para rir. Estou com a minha família. Perdoem-me o vernáculo, mas sinto que fiz um manguito à Dona Morte.

 

Em conclusão, enquanto soubermos que existimos e que temos motivos para existir, temos consciência. E temos poder. Agora é só usarmos esse poder para espalhar Amor.

Assim à laia de pseudoescritora intelectualoide:

Minha alma é um espaço oculto; não sei que planetas e estrelas o habitam, quantas galáxias nascem e morrem nele, quandos buracos negros domina, quantos novos sóis brilham hoje nele, onde começa ou onde acaba. Só me conheço como universo.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Alexandra Vaz

    Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde