Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

02
Mai16

E agora já cresci (Responsabilidade – 14)

Publicado por Mil Razões...

Car-RhondaJenkins.jpg

Foto: Car – Rhonda Jenkins

 

Ser responsável é ser o quê? Hoje em dia, muitas vezes olho à volta e parece que a responsabilidade é algo que pertence aos OUTROS. Ou seja, se as colheitas correram mal, é responsabilidade do clima; dois carros bateram, é responsabilidade do outro condutor; chegou tarde ao emprego, é culpa do trânsito; não entregou os trabalhos de casa, foi o cão que comeu.

De uma forma ou de outra, vivemos uma era de desresponsabilização. A nossa vida, com altos e baixos, subidas e descidas agrestes e imprevistas, com surpresas ao virar de cada esquina, não está para os fraquinhos. Pelo menos para os fracos de espírito, entenda-se. E portanto, no meio de tanto solavanco, existe cada vez mais a disseminada tentação de tudo e todos culpar pelo que corre mal na existência de cada um, e nunca, mas mesmo nunca, virar o foco para nós mesmos.

 

E no entanto, ser responsáveis por nós mesmos é das dádivas mais bonitas que conquistamos na vida adulta. É assumirmos o controlo, tomarmos o leme e aceitarmos que se há acontecimentos que não podemos evitar, porém podemos sempre controlar como reagimos.

Ser responsável e alcançar os nossos objetivos é sempre motivo para orgulho e grandeza, algo que um mero navegar ao sabor dos ventos nunca permite.

Somos responsáveis, quer queiramos ou não e enfiar a cabeça na areia nunca leva a grandes resultados. Podemos viver anos, décadas até, se calhar a vida toda, a rejeitar responsabilidades. Todavia, a mim parece-me certo e seguro que, nos últimos momentos, haverá sempre a agonizante dúvida sobre como teriam sido as coisas se tivéssemos ousado ter a coragem de tudo enfrentar, de respirar fundo para recuperar forças numa ou outra vala mais inesperada e nunca ceder à tentação de deixar a direção do nosso destino a acontecimentos e pessoas que nos atropelam.

Sobretudo, tenhamos sempre ânimo e empenho para assumir a responsabilidade pelos nossos amores e afetos. Aos filhos, se os adoramos como se espera, que os ensinemos a pescar em vez de lhes metermos sempre o peixinho na boca, de preferência já sem espinhas; aos companheiros, que tenhamos o respeito de assumir as nossas falhas, perdoar as deles e conversar abertamente sobre tudo. À família em geral, que sejamos meigos e compreensivos, quer com aqueles em cujas veias corre o nosso sangue, como também com a família de amigos que vamos construindo ao longo dos anos.

 

Como dizia a raposa ao Principezinho de Saint-Exupery: cativar significa criar laços.  “Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...”.

Se cativamos e nos deixamos cativar, temos que estar dispostos a assumir a responsabilidade por regar as flores com quem criamos esses laços, de as proteger sempre, de nunca nos demitirmos de as acompanhar e deixar crescer.

De resto, para mim, sempre que me faltam as forças e me sinto no fim da linha ou lá perto, anima-me olhar para aqueles que amo e repetir à exaustão o meu mantra pessoal. I’m the Captain of My Soul.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde