Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

12
Jun15

Custe o que custar (Dinheiro – 12)

Publicado por Mil Razões...

PinkPiggyBank-GeorgeHodan.jpg

 Foto: Pink Piggy Bank – George Hodan

 

Dinheiro, cifrão, vil metal. O diabo, a perdição, a bolsa de oxigénio ou tranquilidade financeira. Ganância ou medo. Perder ou ganhar.

Cada pessoa terá uma vivência muito particular em relação ao dinheiro. O que é que tu pensas sobre dinheiro? O que pensas sobre ter ou não dinheiro? O que sentes quando pensas em dinheiro? Qual a reação do teu corpo quando pensas em dinheiro? Certamente a tua resposta difere consoante a experiência que estejas a ter no momento com essa tão importante energia. Se estiveres a receber uma bela quantia, talvez te sintas feliz, satisfeito e seguro. Se gastares o pouco que possas ter, talvez te sentiras ansioso, preocupado ou magoado. Isto significa que a experiência de lidar com dinheiro é muito emocional e, por isso, pessoal, pois a maior parte das pessoas não é racional quando lida com questões financeiras e essa é uma vivência que mexe profundamente com as emoções. Se me roubam, vivencio uma emoção muito forte, negativa, pois sinto-me traída, invadida, abusada. Se ajudo financeiramente alguém, uma causa ou instituição, experimento emoções muito positivas, porque estou a contribuir para um mundo melhor ou estou a ajudar a aliviar o sofrimento, sinto-me uma pessoa bondosa e fico, assim, com uma boa autoestima. Mas, em abono da verdade, o dinheiro é neutro. Ele não é nem bom, nem mau. Portanto, a relação que estabeleço com ele é uma fonte riquíssima de informação pessoal, ajudando a construir uma identidade mais real de quem, de facto, sou. Sou confiante? Sou insegura? O valor que atribuo a mim mesma é proporcional ao meu saldo bancário? Alimento autoculpa, pois acho que, por algum motivo, não sou merecedora da vida equilibrada e feliz que o bem-estar financeiro proporciona? Tenho coragem para utilizar as minhas forças de modo a criar mais valor no mundo, inclusive financeiro? Faço, profissionalmente, aquilo que me realiza e faz feliz? Sou madura emocionalmente ao lidar com diferentes pessoas e desafios? A minha relação com o dinheiro é saudável? Sei dar, mas sei, igualmente, receber? Sou obcecada ou vivo preocupada, aprisionando-me cada vez mais numa miríade de emoções e pensamentos desgastantes, quer tenha muito, quer tenha pouco? E, por último, vejo a importância de construir a independência financeira, que dar-me-á liberdade mas, sobretudo, apaziguamento mental e emocional, responsabilizando-me, totalmente, pelo meu futuro?

Não sejamos franciscanos nesta matéria, pois o dinheiro permite-nos ampliar os nossos recursos culturais e desenvolver variadas competências importantes no nosso caminho para uma maior autonomia, e também para trazermos mais prosperidade à vida de outros.

Nem todos os preços que pagamos, valem a pena. Alguns até prejudicarão mais a nós e aos outros do que beneficiarão, se não prestarmos atenção e refletirmos com muita sapiência sobre as consequências futuras que implicarão as nossas decisões.

Mas a conquista da autossuficência, autonomia, liberdade e tranquilidade não tem preço. Custe o que custar.

 

Marta Silva

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde