Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

28
Set15

Correção moral (Consciência – 19)

Publicado por Mil Razões...

GunOnGround-RakiHalder.jpg

Foto: Gun On Ground – Raki Halder

 

- Mata-o! Mata-o, ou serás tu a morrer! Mata-o, traidor! Ele é tão traidor como tu e por isso merece morrer! Se não for ele serás tu, verme miserável! Achas que ele te poupará quando eu lhe colocar a pistola na mão?! Achas que ele continua a ser teu amigo?! – gritou o capitão junto da orelha de M. e, de seguida, pousou-lhe a pistola sobre mão direita, aberta, dorida, ensanguentada, sobre a coxa, exausta.

 

M. conseguiu olhar R. pelas pequenas frestas que dolorosamente abriu por entre as pálpebras inchadas. Olhou R. e imaginou-o um espelho, devolvendo-lhe a provável imagem de si mesmo. Corpo magro de meses sem uma refeição capaz nem um sono tranquilo, dobrado sobre si mesmo, sentado numa cadeira, contorcido, roupas rasgadas e empapadas em sangue, descalço, pele escurecida pelo sangue seco e pela sujidade arrancada ao chão. No lugar da cara uma área tumefacta, disforme, vermelha.

 

O capitão recuou, colou-se à parede junto a um dos soldados que, segurando as armas, preveniam algum imprevisto. Aproveitou o tempo que dera a M. para que decidisse matar ou morrer, para descansar um pouco. Estava há já duas horas ali, a bater-lhes, a torturá-los, a quebrá-los como eles mereciam pela sua condição de vermes, de traidores, de estalinistas. Tentou respirar profundamente, procurou acalmar-se.

 

Pela cabeça de M. passou rápido o filme de uma boa parte da sua vida, aquela maior parte em que ele e R. foram amigos. Desde o primeiro dia de escola, os pais, as borgas, as namoradas, os casamentos, os filhos, a guerra. Sempre a guerra, inevitável, a marcar os tempos, a marcar os homens, como se fosse uma necessidade básica junto com respirar, dormir ou comer. Lutaram juntos contra os alemães. E agora estavam ali, em Goli Otok, porque o marechal Tito resolveu mudar de amizades, decidiu impor-se. Sabia que aquela história só poderia acabar mal, que o capitão faria com que pelo menos um deles morresse. Naqueles meses tinha entendido como era colocada em prática a “correcção moral”: pais a matarem filhos, filhos a matarem pais, irmãos a matarem irmãos, amigos a matarem amigos, como teste ao seu arrependimento, como prova de que tinham sido quebrados. A reeducação consistia em liquidar toda a dignidade e toda a humanidade aos traidores corrigidos. E agora era a vez dele e do seu querido R..

 

O corpo de R. não aguentava mais pancada. O seu ser também não. R. sabia ser bem mais fraco do que M. e pensou o que faria se M. vacilasse, se o capitão fizesse aquilo que disse, se colocasse a pistola na sua mão. Dispararia sobre si próprio, sem hesitações, acabaria com aquela tortura e salvaria o seu querido M., ali e para o resto da sua vida que desejava fosse muito longa e sem culpa. R. sabia que nunca suportaria viver com a culpa de ter matado M., mesmo naquelas circunstâncias, mesmo no limite da sobrevivência. Antes a morte.

 

O capitão fechara os olhos e assim evadira-se daquelas paredes, daqueles muros, daquela ilha maldita. Estava há um mês sem ir a casa, tantos eram os traidores, assim o coronel lho exigia. Estava exausto. Desejou, como nunca acontecera antes, o calor e o perfume dos braços da sua amada F..

 

M. apertou a mão e sentiu o conforto frio do corpo metálico da pistola. Olhou para R. que permanecia imóvel, como se estivesse já morto. Sabia que o seu amigo era mais fraco. Procurou fixar-se nessa diferença. Esta decisão era o exercício mais requintado da tortura que o capitão lhe infligira, o maior desafio à imaginação. O instinto vital impelia M. a disparar sobre R. e assim sobreviver, acreditando que o capitão o deixaria partir já na condição de corrigido moral. Mas como seria o depois? Como viveria o resto dos seus dias corroído pela culpa? E se nada fizesse, permitindo que o capitão invertesse o jogo, como jogaria R.? Ao empurrar para R. a segunda jogada, deixaria ao seu amigo apenas a hipótese de disparar e matá-lo. E então como seria o depois, como lidaria R. com a culpa da sua morte? M. sabia que R. não aguentaria, que sucumbiria destroçado.

 

O capitão regressou lentamente. Abriu os olhos e tudo continuava imóvel como se o tempo tivesse parado.

- Porra para estes sacanas traidores! – ralhou para dentro de si, aproveitando o impulso para se arrancar à parede que sentia reconfortante como uma cama com lençóis de seda. Aproximou-se de M. e gritou:

- Mata-o, sacana! Mata-o, ou morres! Despacha-te! Tenho mais coisas para fazer!

 

T. recebeu, acarinhou e cuidou de M., quando ele, três dias depois, regressou a casa. Amou-o ainda mais do que antes.

 

L. chorou e doeu-se pela perda e pela saudade de R.. Contida a dor, feita a saudade companheira fiel, retomou a sua vida, mas continuou a chorar. Chorava, não por ódio, não por desejo de vingança, mas pela pena que sentia de M. e de T., pela cruz que eles arrastariam por toda a vida. Sabia que M. fizera a escolha mais difícil e estava-lhe agradecida.

 

Desde que M. levantou aquela arma, até ao instante em que partiu, dezasseis anos passados e completamente quebrado pela culpa, da sua boca não saiu uma única palavra.

 

L. chorou e sentiu compaixão. Compaixão pelo destino de M., compaixão pelo instante em que ele fez uma escolha, podendo ter feito outra.

 

T. continuou a amar M..

 

Nota: Texto inspirado em “Anima Mundi” de Susanna Tamaro.

 

Fernando Couto

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde