Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

16
Set15

Consciência do outro (Consciência – 14)

Publicado por Mil Razões...

Refugiados.jpg

 

Consultei a definição de consciência, em vários sítios e encontrei definições científicas, filosóficas e psicológicas. No entanto, o que me interessa neste momento é a consciência do outro. É saber que o outro existe e é diferente e desconhecido. Mas nem por isso mau e perigoso. Se temos consciência de nós, devemos tentar ter consciência do outro, do que ele sente e pensa, de como ele vê a vida e o mundo à volta, de como ele reage e se comporta.

Não tenho página no Facebook, mas ontem, em conversa com umas amigas, apercebi-me de que andam a circular fotos, vídeos e opiniões por todo esse universo, sobre os refugiados e sobre o mal que essas pessoas vão trazer a todos os países onde chegarem. Nem sempre vejo as notícias, mas quando acontece, o que vejo são centenas de pessoas a fugir de uma realidade atroz, pessoas que deixam tudo para trás, que se arriscam a morrer na travessia por mar, que sujeitam os filhos, pequenos, ao perigo e que falam uma língua incompreensível. Essas pessoas fogem para uma terra que consideram melhor, de liberdade, de oportunidades, de refúgio e de promessas para si, mas acima de tudo para os seus filhos. Além de tudo o que têm de enfrentar, estas pessoas têm de enfrentar o preconceito e a discriminação de quem cá está. Mais uma travessia difícil!

Portanto, o que me ocorre sugerir é fazermos, todos, alguns exercícios de consciência e pormo-nos no lugar dos refugiados, que fogem dum país que já não lhes oferece nada. Podemos imaginar que estamos com dezenas de pessoas no mesmo barco, pequeno, a atravessar o mar. Podemos imaginar que temos um filho, ou uma filha, aterrorizado no nosso colo, a chorar todo o caminho. Podemos imaginar que temos fome e frio e que não sabemos onde vamos chegar, ou se chegaremos. Podemos imaginar chegar a terra e querer comunicar e não sabermos falar a língua e não conseguirmos que ninguém nos entenda. Sim, porque nem todos os refugiados sabem falar inglês. Podemos imaginar que nunca mais veremos a nossa casa e a nossa cidade ou aldeia. Podemos imaginar que chegamos a terra e sentimos alívio e alegria, porque agora estamos a salvo. Podemos imaginar o terror que se sente quando é dito que temos de voltar para lá. Podemos imaginar muita coisa, mas é difícil pormo-nos no lugar deles porque estamos aqui protegidos e a desgraça vemo-la na televisão.

Neste momento, para mim, a voz da consciência deveria falar outra língua e a mão na consciência deveria segurá-la, enquanto a outra mão a prende para não a deixar cair. A consciência do outro que vem até nós e a consciência de que o medo é poderoso. O medo com que os refugiados fogem é o mesmo com que nós os recebemos. Há que ter consciência disso para pararem as histórias, as imagens e os filmes. Há que ter consciência para se sentir um peso nela!

 

Patrícia Leitão

 

1 Comentário

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    sabe o que mais gosto é viver a vida com plenitud...

  • Anónimo

    Uma outra leitura, numa outra oitava, do mesmo art...

  • Anónimo

    ...estamos a ficar cegos para o amor...

  • Teresa Teixeira

    :)OS TEUS OLHOS SÃO MAIS VERDES QUANDO CHORASOs te...

  • Teresa Teixeira

    Um abraço e um brilho.

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde