Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

24
Set14

Como se educa? (Educação – 17)

Publicado por Mil Razões...

 

A educação pode ser sinónimo de afeto, atenção, acompanhamento, definição de uma moral e de inculcação de valores. Cabe de facto aos pais, na base, ou a outro, ajudar a criança a definir um caminho a seguir. Educar pode ser sinónimo de providenciar o melhor desenvolvimento pessoal possível para que as crianças se tornem adultos felizes com sentido de cidadania.

No entanto, a nossa cultura atribui à educação, num sentido mais lato, a instrução escolar e académica. Quanto mais preparado, mais conhecedor de matérias várias e complexas, e quanto mais alto o nível, melhor. Daí que o enfase esteja em boas escolas, de preferência privadas que constem no ranking nacional, bons explicadores, bons centros de estudo, quanto mais caros melhor, e boas universidades.

A sociedade enfatiza a necessidade de termos bons estudantes, com excelentes médias, porque desta feita teremos bons profissionais. Não se pergunta: como estás, como te sentes? Pergunta-se: Quanto tiraste no exame? Como está a escola? Mas será que médias de 19 valores significam bons profissionais? Será que termos médicos, com um percurso universitário exemplar, significa termos um serviço de qualidade? Pessoalmente já me deparei com alguns sem o mínimo de sensibilidade e humanidade. A pergunta urge: Quero um bom profissional ou um sensível? A resposta é pronta: Quero um bom profissional com sensibilidade e humanidade. Pode a sociedade, com todos os seus agentes educativos, ensinar e preparar jovens adultos em todas as vertentes?

Este tipo de cultura social que enfatiza o “eu” incitando as crianças desde bem cedo a serem as melhores em todas as atividades, aumenta o risco da sua desumanização devido ao elevado nível de competitividade que lhes é imposto pelos adultos que colaboram na sua educação.

Pode esta cultura, excessivamente competitiva, contribuir para diminuir os laços afetivos das crianças, crescendo e tornando-se adultos infelizes, contribuindo dessa forma para uma sociedade descentrada dos seus valores emocionais e mais infeliz.

Num artigo de André Jegundo, de 2012 a propósito do Relatório Mundial sobre Felicidade, lê-se: “Nem felizes, nem deprimidos: os portugueses “vão andando””. Quando deixaremos de ser “mornos”? Nem “quentes”, nem “frios”?

 

Ana Teixeira

 

2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    sabe o que mais gosto é viver a vida com plenitud...

  • Anónimo

    Uma outra leitura, numa outra oitava, do mesmo art...

  • Anónimo

    ...estamos a ficar cegos para o amor...

  • Teresa Teixeira

    :)OS TEUS OLHOS SÃO MAIS VERDES QUANDO CHORASOs te...

  • Teresa Teixeira

    Um abraço e um brilho.

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde