Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

04
Abr16

Cego é o que não quer ver (Responsabilidade – 2)

Publicado por Mil Razões...

Love-拾叁 簡.jpg

Foto: Love - 拾叁 簡

 

Não, não pode ser verdade! Exclamaram uns, pensaram outros.

O que acabávamos de ouvir só podia ser mais uma das suas brincadeiras inconsequentes. Suspensos no momento, os gestos interrompidos, todos à uma, olhámos a figura que, ainda em pé, sem qualquer emoção, no mesmo tom de voz com que chamava o empregado e lhe pedia um café, validava a decisão com um “ponto”.

Decidi, ponto!

 

Apregoavas a liberdade sexual. O casamento não podia ser uma autorização patética de acasalamento. Insurgias-te contra. Viver em comunhão de facto, não era um direito contratual, era uma necessidade ditada por algo verdadeiro e forte, o amor. Somente o amor poderia ser responsável por um projeto de vida a dois.

Sem saberes o quanto perto estavas dele, dizias-me que tinhas medo de não reconhecer o amor se alguma vez ele te rondasse. Tinhas razões, o amor não te rondou, envolveu-te, e tu não o reconheceste. Perfilei-me ao teu lado, para juntos enfrentarmos os colegas de escola. Troquei as brincadeiras com bonecas para jogar à bola contigo. Deixava as amigas para te acompanhar nos longos passeios pelos campos, junto ao rio, ou para te acompanhar nos grandes silêncios a que te entregavas sem explicações. Crescemos e os silêncios também, citavas Pitigrilli, a solidão é linda mas a dois, e eu lá estava para dar beleza à tua solidão. Vivias em permanente confronto com a sociedade e eu mediava essa oposição, mantinha-te ligado ao nosso grupo de amigos. Não me distribuías estes papéis, não era preciso, eu chamei a mim essa responsabilidade. E, assim foi por muito tempo, tanto, como tenho consciência de mim. Estar perto e testemunhar a tua existência, bastava-me para dar sentido à minha vida, mas, nem assim reconheceste o amor que apregoavas.

Não te conhecíamos namoradas nem paixões, por isso, e porque eu te amava, não tinhas o direito de casar.

Casaste!

 

Tinha aprendido a viver para ti, tinha que aprender a viver para nada.

Não te responsabilizei pelo vazio dos dias longos a que se sucediam noites intermináveis de solidão.  Rodeada de nada, vivia de nada projetada para um futuro de nada. Desresponsabilizava-me de centrar a minha vida no nada porque lá, era o meu lugar, não havia mais nada para além deste nada.

Metia pena, a pena que tinha de mim. 

 

Chegaram rumores de que o casamento não te ficava bem.

Chegaram certezas, tinha acabado.

Vi-te sem sonhos, sem esperança, sem sentido para a vida. Não pediste nada, não te queixaste mas, como antes, chamei a mim a responsabilidade de repor a vida que não havia em ti. Animada pela esperança, envolvi-te novamente de amor. Confidenciaste-me que o teu único objetivo era encontrar a felicidade, não sabias quando, nem em que circunstâncias, mas sentias que algo estava para acontecer na tua vida que te faria feliz. 

Novamente não o reconheceste e eu não era a tua procura. Não me martirizo por ter acreditado e teimado a acreditar em nós, responsabilizo-me apenas pela minha infelicidade. Mas por não veres que o que procuravas podia estar mesmo ao teu lado, só tu és responsável.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde