Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

27
Nov15

As máscaras do medo (Medo – 6)

Publicado por Mil Razões...

WomanAndMask-GeorgeHodan.jpg

Foto: Woman And Mask – George Hodan

 

“Jean Jacques Rousseau definiu civilização como sendo o estádio em que as pessoas constroem vedações à sua volta. (…) Toda a civilização é produto de uma falta de liberdade imposta pelas vedações construídas pela sociedade.” (Murakami, Haruki: Kafka à Beira-Mar).

 

Eu acredito que, no campo individual de cada um de nós, também isso acontece. Aí não lhe chamaria vedações; trocava, então, por máscaras; o invólucro que reveste cada ser, aquilo que está à tua frente. No fundo, a parte mais óbvia. Também entendida, às vezes, como as defesas que cada um ergue à sua volta. A verdade é que o nome talvez pouco importe. Importa, sim, a razão, a mesma independentemente do nome que se dê àquilo que de nós mostramos aos outros. E a razão é o medo! O medo de ser-se quem se é, seja lá o que isso seja e signifique, e dar a conhecer quem se é.

À medida que crescemos, corremos o perigo de ficarmos cicatrizados e de carregar essas mesmas cicatrizes às costas. Provocadas pelos outros ou, tão simplesmente, por nós próprios. É a causa do medo. E o medo, seja de qual for e do que for, impede-nos sempre de sermos livres. O medo de não nos darmos aos outros, presos no nosso próprio casulo, na escuridão onde ninguém chega, como que se vivêssemos aprisionados na nossa prisão interior.

Quando digo dar-se a alguém, refiro-me de maneira a que o outro conheça as mais profundas janelas do nosso ser e/ou da nossa consciência. Ao invés, fechamo-nos na nossa própria concha, qual ameijoa, qual quê! Chegar ao nosso eu mais íntimo dá mais trabalho: aos outros e a nós próprios, com a chegada deles até aí (lá está o medo novamente à espreita!).

O que os outros acabam por ver é o invólucro do qual somos revestidos. Aquilo que tu vês, que está a tua frente, é fácil de gostar, é motivo de simpatia logo à partida. A parte obscura, mais sombria e triste, é mais difícil de gostar e de lá chegar. Esse receio de sermos absolutamente transparentes com o outro, o não conseguir libertamo-nos dele, dá-nos a sensação de que ficamos sempre pela metade, como se algo se fosse perdendo pelo caminho… Faz-nos sentir ocos, vazios, como que se o único som que existisse dentro de nós fosse as soadas constantes e ensurdecedores do nosso próprio medo.

“Medo é fraqueza como nuvem”: uns dias mais soalheiros, outros em que o céu carregada o peso das nuvens. É essa nuvem que pode parecer negra, que é o constante desafio que impões a ti próprio. Pode não ser algo mau, mas quando não nos faz dar o passo em frente, torna-se perturbador. E quando não conseguimos entregar-nos aos outros, também perdemos, todos os dias, um bocadinho dos outros e daquilo que nos rodeia…

 

“As coisas no exterior são projeções do que tens dentro de ti, e o que tens dentro de ti é uma projeção do que te rodeia. Por isso, quando entras no labirinto exterior que te cerca, estás ao mesmo tempo a penetrar no teu labirinto interior. Uma odisseia perigosa, sem sombra de dúvida.” (Murakami, Haruki: Kafka à Beira-Mar).

 

Sandra Sousa

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde