Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

05
Set14

- Ai! Que medo da educação!!! (Educação – 9)

Publicado por Mil Razões...

 

No último ano letivo, a associação de pais da escola dos meus filhos, decidiu avançar com um projeto para o qual eu me ofereci como voluntaria e à custa disso sofri verdadeiros traumas que deixaram mazelas nas minhas delicadas ilusões sobre como as crianças são as melhores representantes da educação do futuro. O projeto consistia em passar algumas horas no refeitório da escola, a sensibilizar e “educar” os alunos.

No primeiro dia apresentei-me cheia de entusiasmo e vontade, tinham-me avisado sobre o barulho (pensei que não podia ser nada de tão terrível, nem nada de tão complicado, arrogância de quem se esquece que o aviso veio de quem sabe) - nos primeiros minutos pensei que tinha sido atingida por uma granada, fiquei imediatamente surda e, por momentos, creio mesmo que cheguei a deixar de ver.

Após a adaptação tentei começar a fazer o meu trabalho e sensibilizar os alunos à necessidade, por exemplo, de lavar as mãos antes das refeições. Por momentos pensei que estaria a falar mandarim e que seria uma extraterrestre. Olharam-me de tal forma que imediatamente comecei a procura do terceiro braço que parecia ter-me nascido espontaneamente.

Desde uma passagem de um segundo por baixo da água, a um acenar tangente sobre a minha cara de mãos molhadas e “badalhocas”, pois vos digo, eu assisti a tudo! A confusão das pequenas e joviais criancinhas, de que o cesto dos papéis era todo o chão envolvente aos lavatórios, a dizerem-me, inocentemente, que já tinham lavados as mãos de manhã antes de vir para aulas, ou até mesmo, coitadinhas, que não precisavam mesmo daquilo que eu estava a solicitar, tudo isto com uma “carinha” laroca e um sorriso que em nada indicava de estarem a chamar-me de louca ou de chata. Como disse, vi e ouvi de tudo mas com traços muito, mas mesmo muito, ligeiros daquilo que eu pensei ser educação. Isto já para não falar nos gestos graciosos que faziam com os dedos e braços mal eu me virava de costas.

Com todo o carinho olhava para aqueles pequenos seres tão absorventes do meio ambiente, aqueles que vão perpetuar a nossa espécie, carregando já consigo o essencial da educação, sem uma única vez sentir uma vontade secreta de dar um ternurento e pequenininho corretivo.

Apanhei um verdadeiro susto, mas não foi de todo por causa da linda menina que, após ter interagido com ela, deu um passo atrás, olhou-me de cima a baixo com todo o respeito e, em seguida, com umas frases que nem entendi muito bem devido à sua delicadeza, parecia que me oferecia festinhas e carinhos.

Após ter assistido a uma mãe, voluntária como eu, a ser insultada, via telemóvel, por uma outra mãe de uma criatura que não aceitou de todo o conselho e decidiu telefonar à sua mamã para que esta ajustasse contas assim mesmo, pensei: neste momento, trabalhar de perto com adolescentes e pré-adolescentes deve ser uma profissão de risco. Mas o pior é que ainda hoje, passado largos meses, continuo com medo, não dos meninos e das meninas, mas da educação que eu vi ali espelhada naquelas poucas horas junto de tão lindas criaturas.

 

Susana Cabral

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

  • Paulo Das Neves

    Alucinante e envolvente...muito bom!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde