Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

12
Mai17

Aceitas dançar comigo à chuva? (Amor – 18)

Publicado por Mil Razões...

Dance-PublicDomainPictures.jpg

Foto: Dance – Public Domain Pictures

 

Pensando em todas as cenas de amor que tive o privilégio de vivenciar e presenciar até aos dias de hoje, lembrei-me que uma coisa que sempre me comoveu foi ver a adoração do meu marido pela Mãe, os seus olhos cor de oceano como que se liquefaziam de deslumbre ao olhá-la; “Minha riqueza”, chamava-lhe. Muitas vezes pensei que se um dia um filho me olhasse assim com tamanha ternura e desvelo, nada me faltaria.

Na verdade, não existe amor mais exaltado do que o amor de Mãe. Às vezes em exagero, convenhamos. Diariamente, nas redes sociais vemos verdadeiras declarações de mulheres que dizem que ser Mãe é a melhor profissão do mundo, de filhos que fazem verdadeiras declarações à Mãe, não faltam blogues e sítios da “especialidade” e coachs, todos a quererem ajudar, a opinar, a criar teorias e estratagemas para que nada falte às crianças, e que ainda assim, a mãe consiga arranjar um “tempinho” para si... Esqueçam. Deixem que vos diga: ser Mãe é muito difícil e por vezes uma tarefa muito ingrata. Não muito raro, digo “não” ao meu filho, questionando-me se afinal não poderia ceder. Ser Mãe faz-me questionar a toda a hora se estou a fazer o que realmente é melhor para o meu filho, ou então, faz-me cobrar a mim própria que deveria fazer melhor. Ser Mãe também é ingrato, porque às vezes gostava de não ter que ser tão “generala” e ser apenas amiga do meu filho, gostava de agarrar nele e dançar à chuva. É uma dúvida constante entre o que se fez e o que deveria ter-se feito.

 

No entanto, creio que o meu filho, de certa forma, me aquietou o coração durante a minha festa de aniversário quando, quase no final, me arrastou para a pista de dança e foi a correr segredar qualquer coisa ao DJ. “Mamã, pedi esta música para ta dedicar; aceitas dançar comigo?”. E eis que começa aquela kizomba mais que conhecida “Essa miúda é linda”. Então, aquele pequeno ser de 9 anos, que só pensa em Legos e futebol, olhou-me com aquele olhar azul cristalino. “Amo-te Mamã! Eu pedi esta música ao senhor porque para mim és a miúda mais linda do mundo!”, e foi então que vi aquele olhar que me era tão familiar, só que ainda mais especial, porque este olhar era para mim!! Como que a dizer-me que não está a correr mal esta coisa de ser Mãe. E o meu cálice transbordou.

 

Se pensar bem, de uma forma geral, há vários tipos de amor, que vão entrando e saindo da nossa vida sem nunca perderem o valor da eternidade, que inevitavelmente nos definem como pessoa e, como tal, também o amor que fui vivendo pela vida fora, o amor pela minha família, pelos meus amigos, por todas as coisas de que gosto verdadeiramente e mesmo o meu sempre-em-construção amor-próprio me definem. E eu nada seria se me faltasse um destes alicerces. Mas aquele amor que realmente me move é sem dúvida o amor que tenho pelo meu filho, porque a minha família ama-me da maneira que sou, tal como os meus amigos e portanto posso ser eu própria e, mesmo cometendo erros, sou absolvida porque me amam. Já para o meu filho tenho que ser exemplo, tenho que viver naquele exercício de equilíbrio entre ser educadora e compincha, tenho que dar o máximo de mim e, sobretudo, continuar a ser aquela miúda linda, para receber o olhar que me impulsiona para a frente, no sentido da vida. E um dia hei de dizer-lhe: “Aceitas dançar comigo à chuva?”.

 

Ana Bessa Martins

1 Comentário

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde