Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

12
Set16

A teoria do jogo (Jogo - 12)

Publicado por Mil Razões...

Man-OmerYousief.jpg

Foto: Man – Omer Yousief

 

Na ótica de Gomes, Orlando (2013), seriam necessários alguns elementos de base para definir o jogo, elencando como primeiro elemento um conjunto de jogadores, em que num modelo simplificado de interação circunscreve-se a dois jogadores. De seguida, cada jogador terá, então, um conjunto de estratégias que poderá escolher dadas as estratégias disponíveis para os outros jogadores; e finalmente, cada estratégia produzirá um efeito (payoff) que dependerá decisivamente das linhas de ação ou estratégias escolhidas pelos restantes jogadores.

A teoria do jogo é assim compreendida como um estudo formal da interação estratégica entre agentes competidores num mesmo espaço, e começou a ser aplicada por planeadores chineses há 2500 anos.

Certa passagem do incontornável livro A arte da Guerra, de Sun Tzu, destaca que “aquele que conhece o inimigo e conhece a si mesmo não ficará em perigo diante de centena de batalhas. Aquele que não conhece o inimigo mas conhece a si mesmo às vezes vence, às vezes perde. Aquele que não conhece a si mesmo nem o inimigo invariavelmente perde todas as batalhas”.

John Nash, matemático norte-americano e vencedor do Nobel de Economia em 1994 pela notável contribuição que ajudou a revolucionar o campo matemático da teoria dos jogos, demonstrou através do dilema do prisioneiro, a competição ou cooperação in extremis entre jogadores na determinação do ponto de equilíbrio dessa relação, que passou a ser conhecido como o equilíbrio de Nash.

 

O drible é uma habilidade crucial para o jogo competitivo, em que se consegue transpor temporariamente ou definitivamente o adversário com a bola em sua posse e domínio, todavia não bastam habilidades e acrobacias para se vencerem partidas mas sim um conjunto das decisões tomadas em todo o tempo cronológico que durar a partida.

Por sua vez, a cooptação é um estágio evoluído de competitividade e maturidade entre os players, que decidem cooperar estrategicamente, partilhar risco e recursos, para desenvolverem alguns projetos de interesse comum e posteriormente colherem sinergias. A maturidade acima indicada resume-se no respeito mútuo que foi cultivado ao longo do tempo e na assumção de que as competências técnicas são intrínsecas e inalienáveis.

Para o sucesso dessa aliança é necessária a definição de regras de jogo transparentes, comprometimento e fair play da parte dos jogadores. Um acordo prévio de tréguas durante a vigência do projeto permite um alinhamento estratégico crucial para o sucesso da operação. Essa cedência ou privação de algumas liberdades enfraquece e até desarma o adversário, convencendo-o que a união será mutuamente vantajosa numa perspetiva de longo prazo.

Com efeito, para se atingir escala e crescimento sustentável precisamos de adversários fortes e aliados ou parceiros inteligentes e que partilham da nossa visão. A integração vertical de competências e confluência de virtudes distintas dará origem a novas áreas até então desconhecidas ou inexploradas, conducentes a diversificação da nossa atuação e consequente redução do risco global.

 

António Sendi

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde