Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

13
Jun16

A regra da recompensa (Dar e receber – 13)

Publicado por Mil Razões...

Beggar-DeanMoriarty.jpg

Foto: Beggar – Dean Moriarty

 

Dar não é um ato de caridade, mas sim uma obrigação moral e de recompensa com o seu semelhante, por fazermos parte da mesma geosfera, e de gratidão por termos sido iluminados para alcançar desideratos comuns. Quando recebemos, emerge a necessidade de partilhar para eternizar e valorizar a nossa conquista, a vida é um sistema de trocas de sinais que os seres emitem comunicando valores e mesmo que a oferta seja digna de realce, se não se faz acompanhar por uma oferta de valor intrínseca, o carente pode duvidar.

A velha máxima já sugere que quanto mais damos mais recebemos em troca, numa medida ou contrapartida igual ou superior respetivamente, mas somente a plena consciência de ter honrado e cumprido um dever moral constitui uma recompensa incomensurável, que não tem escala de avaliação de impacto.

Entretanto, é razoável questionar a medida justa para se considerar que tal recebimento seja adequado ou meritório, no primeiro caso, assume-se uma avaliação objetiva, e no segundo, imaterial. A discórdia consiste em não sabermos reconhecer a natureza e momento da recompensa, conforme se assume receber certo padrão ou natureza da ação, ou pelo diferimento que o vencimento da recompensa possa sofrer, ou ainda exigir um retorno justo como se de uma transação com fins comerciais se tratasse.

 

Um dos maiores atos de ofertar é através do voluntariado direcionado para pessoas carentes, grupos desfavorecidos ou, indiretamente, através do exercício de profissões de natureza social por serem atividades plasmadas e impulsionadoras da qualidade de vida.

Pretendendo assemelhar ou traçar uma simbiose entre iniciativas empresariais e sociais, deduz-se o fenómeno empreendedorismo social, segundo a Endeavor é todo o negócio em que a responsabilidade social é o core business, são ideias que se consubstanciam em soluções de problemas sociais passíveis de serem transformados em produtos e serviços vendáveis e geradores de lucro a longo prazo.

É precisamente deste ponto que interessa fazer a articulação entre as dimensões social e material da atuação do Homem, ciente que uma persegue a outra; para se conseguir sustentabilidade num projeto empresarial, condição indispensável para o sucesso, é fundamental que as soluções propostas sejam ideias válidas e que gerem valor, transformando essa transação que comporta um risco numa operação mutuamente vantajosa. Nesse processo a comunicação tem um papel duplo desde o condutor de ideias à transmissão de valores indispensáveis para o comprometimento de todas as partes interessadas.

A ideia patente é de que, independentemente da forma como a pessoa está organizada, individual ou coletiva, para se receber algo em troca, a regra é antes dar. Se essa fórmula for copiada e replicada pelos níveis seguintes, semelhante à técnica de socalcos, o efeito da partilha será maior assegurando a distribuição dos rendimentos de forma abrangente e integral, gerando o efeito multiplicador. Esta é, aliás, a fórmula de crescimento em cadeia que muitos pequenos agentes organizados em rede podem seguir, obtendo vantagens de partilha de custos, geração de sinergias e escala de produção de forma a adquirir massa crítica para penentar e competir em palcos mais exigentes.

 

António Sendi

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

  • Anónimo

    Tem algum grupo em alguma rede social para acabar ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde