Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

30
Abr14

A grande banhada (Infância – 13)

Publicado por Mil Razões...

 

"Chiu! Eles vêm aí!". E instala-se um silêncio tenso enquanto eles se aproximam.

Isto passa-se atrás de uma barricada estrategicamente preparada para os esconder. Uma espécie de quartel-general feito com todo o empenho e detalhe, com canas e cordel, camuflada com folhagem e ramagem entrelaçada. Atrás da barricada providenciaram pelos cómodos de que todo o guerreiro necessita: bancos de madeira (o mais alto é o do chefe), um caixote de madeira com tampa (onde estão secretamente guardados os mapas secretos e os planos secretos de ataque, bem como a limonada que a mãe do chefe lhes preparou), uma bacia cheia de balões de água, uma arma ultra potente a que carinhosamente chamam de canhão d'água (é uma mangueira), um pau de marmeleiro espetado na terra e, amarrado a ele, uma bandeira de pano negro com uma caveira toscamente pintada a vermelho vivo (não sei porquê, esta caveira faz lembrar um texugo, mas atenção, um texugo ameaçador, não um desses texugos fofinhos).

Os piratas estão a postos. Espreitam por entre a ramagem da barricada, carregados de balões nas mãos, nas camisolas reviradas e no chão (e ainda têm a bacia cheia deles). "Isto vai ser um massacre!", sussurra um deles para o do lado. O do lado solta um guinchinho surdo de sei lá do quê (talvez de alegria concentrada e contida, os putos têm destas coisas). Todos agachados como podem, porque a barricada agora não parece ser assim tão alta.

Os inimigos estão à vista. Entre os inimigos está uma menina, o alvo preferido dos piratas. Vem de vestidinho, a palerma. Vai ficar uma desgraça. Secretamente, muito secretamente, absolutamente completamente secretamente todos os piratas acham que ela é gira.

Ninguém pia, ninguém mexe. O ataque está iminente. Os inimigos vêm cautelosamente em bando. São quatro a contar com a menina. Parece que sabem que algo os espera. Um deles aproxima-se incautamente da barricada. Os piratas preparam-se para o atacar. Os outros inimigos juntam-se àquele que se aproximara incautamente da barricada. A menina também. Todos os olhos dos piratas estão agora postos nela.

De repente… "Plof!" Rebenta um balão de água em cheio na nuca do pirata mais gordo. E logo a seguir uma rajada deles nas nucas e nas costas dos outros piratas. Os piratas viram-se de repente e começam a disparar "balonadas" com toda a força, freneticamente, caoticamente. A maior parte delas erra o alvo. São agora atacados por todos os lados. A menina é d'armas: atira melhor do que os rapazes.

"O canhão! O canhão!" - grita o chefe - "Liga a água!". Mas já era tarde. Os inimigos tinham despejado toda a artilharia sobre eles e agora piravam-se. Tinham caído numa emboscada. Foram distraídos pela frente e cobardemente atacados por outros três inimigos que se escondiam por detrás deles. Foi uma valente derrota. Uma humilhação total. Estavam encharcados até aos ossos. Nem tiveram tempo de chegar à bacia. Foi um ataque relâmpago.

Ficaram por instantes calados e a escorrer. Mas logo se seguiu uma acesa discussão de todos contra todos sobre quem não viu, quem não previu, quem bufou…

Foram então secar-se e deitaram-se ao sol a beber limonada e a falar sobre qualquer outra coisa.

Lembro-me bem deste dia: eu era o pirata mais gordo. E a miúda era mesmo gira.

 

Joel Cunha

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

  • Paulo Das Neves

    Alucinante e envolvente...muito bom!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde