Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

05
Out15

A fotografia (Tempo - 2)

Publicado por Mil Razões...

FotografiasCampoConcentracao.jpg

 

O tempo é relativo e não pode ser medido exatamente do

mesmo modo e por toda a parte.

Albert Einestein

 

Sobressaltado, instinto de defesa em alerta, senta-se no catre. Do corredor chegam-lhe vozes que gritam não sabe o quê. Parece-lhe que choram mas ao choro sobrepõem-se vozes que parecem zangadas. Aproximam-se com passos rápidos e tão coordenados que parecem um só. Estão perto, cada vez mais perto. Um pontapé e escacaram a porta, entram bruscamente. Os gritos são ordens para se levantar. A tremer, de medo e frio, veste o que se imagina já ter sido uma camisola e, sempre em andamento, enfia as pernas numas calças esfarrapadas. Está assustado, o catre e o lugar exíguo, mal iluminado com ratos a disputar a vida com os homens, parece-lhe agora um lugar seguro. Quer recuar para esse lugar seguro mas é empurrado para a frente, para o corredor que é tão escuro como o cubículo de onde foi expulso. Quer fugir dali mas as pernas não cedem. E se cedessem para onde iria? Sente-se desfalecer. Uma mão segura a sua e aperta-a com força. Reconhece essa força, mantém-se direito com a dignidade que o pai lhe ensinou. Caminham de mãos dadas. Duas mulheres seguem à frente. Uma, a mais velha, está tão vergada pela dor que em altura se nivela pela mais pequena. Também elas caminham de mãos dadas. Ouve-as sussurrar e a voz que lhe chega acaricia-lhe a alma. A porta no fim do corredor dá para dois pátios, os homens vão para o da direita, as mulheres para o da esquerda. Ele larga a mão do pai, quer acompanhar a mãe e a irmã, mas a mãe repele-o e empurra-o para o lado do pai. Quer chorar mas as lágrimas não saem. Aguenta tudo e tudo não tem sido pouco, mas ser rejeitado pela mãe causa-lhe uma tristeza de morrer. Debate-se para ficar junto dela, agarra-lhe o vestido mas ela vira-lhe as costas.

 

O seu nome gritado fá-lo sentar-se na cama. Está alagado em suor e lívido de terror. Mais um daqueles pesadelos que há de acabar com ele. Durante anos as cenas de terror vividas no campo estiveram agrilhoadas na sua memória. Aprendeu a relevar o que fizeram com ele e com a sua família porque considerava que, mais importante do que aquilo que lhes fizeram, era o que ele iria fazer com isso. Conseguiu viver com alguma normalidade até ao dia em que revisitou o campo. No corredor que percorreu com os pais e a irmã e que haveria de os separar para sempre, a fotografia da mãe acariciou-o com o olhar. Se ao menos ele lhe pudesse agradecer pela vida que ela lhe salvou! É que, ao afastá-lo para o lado do pai, ela sabia que lhe salvava a vida porque os homens eram aproveitados para trabalhar, as mulheres eram fuziladas mesmo ali.

Memórias que o tempo não apaga.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde