Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

21
Dez16

A esperança e a positividade (Esperança – 16)

Publicado por Mil Razões...

Fractal-EnriqueMeseguer.jpg

Foto: Fractal - Enrique Meseguer

 

A esperança é um desígnio referente a um estado ou evento positivo dentre vários cenários possíveis de uma atividade, sustentada pela fé depositada em Deus, no propósito altruísta que orienta a longo prazo, na equipe e/ou rede de parceiros associados ao projeto, na capacidade criativa e críticas, no valor do próprio produto, nos impactos sociais e ambientais do projeto, nas sinergias que podem ser geradas com a sua implementação, no estágio de evolução e maturação da envolvente que se pertence, enfim, na energia que é gerada pela combinação destes diferentes stakeholders e desideratos.

Como o Wikipedia refere, justamente para condizer com o postulado anterior, corrente elétrica “é o fluxo ordenado de partículas portadoras de carga elétrica, ou também, é o deslocamento de cargas dentro de um condutor quando existe uma diferença de potencial elétrico entre as extremidades. Tal deslocamento procura restabelecer o equilíbrio desfeito pela ação de um campo elétrico ou outros meios como reação química, luz, atrito, etc.”.

A compreensão desta lógica sugere uma gestão cuidadosa do esforço físico e mental, e em último da saúde, admitindo que não se pode e nem é necessário saber tudo. Deve-se, sobretudo, concentrar no core para perceber o processo e permitir que os outros se encarreguem de executar as suas especialidades, e posteriormente a coordenação encarregar-se-á de juntar as pontas.

 

O propósito, como prolongamento e interpretação da fé que reside no seu interior, é a maior fonte de poder, sendo uma dádiva do Todo Poderoso precisa ser protegido, tratado, cuidado e acarinhado para que o compromisso seja renovado, e continue a merecer a confiança. Diria que é um bem económico, sujeito a desgaste dependendo da forma e o respeito que formos a utilizar, pois, acima de tudo não se pode perder a humildade e empatia com o próximo e nem passar de vítima a agressor contra qualquer espécie ou a natureza em si. As boas práticas sugerem que, decorrente de um uso responsável e sustentável, permite-se defender dos agressores somente em casos extremos ou então para impedir que os mais fragilizados sejam vitimados, evitando assim holocausto ou canibalismo a olho nu.

 

A esperança é assim positividade, diferentemente do pessimismo, augura sempre um melhor resultado da confiança que depositamos nas nossas ações, na expetativa que sejam capitalizadas e geradoras de rendimentos que compensem o risco outrora assumido.

Para Augusto Comte, filósofo a quem se atribui a autoria do termo positivismo e um dos principais percursores dessa doutrina, a busca pelo conhecimento positivo constitui a principal forma de construção do conhecimento, por via da observação e registo dos fenómenos em seu contexto físico, palpável, ao alcance dos nossos sentidos e submetidos a experiência.

Esperança é, em última análise, uma questão de gestão de risco, que segundo modelos cientificamente comprovados, o risco específico ou diversificável pode ser reduzido com a constituição de uma carteira com ativos distintos representativos de indústrias sujeitas a sazonalidades e ciclos operacionais distintos.

 

António Sendi

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde