Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

14
Set12

Obrigatório: Tocar (Estar longe – 9)

Publicado por Mil Razões...

 

O tema “Estar longe” encaminha-nos imediatamente para a distância física, mas especialmente para a psicológica. Transporta-nos para pensamentos como “… quão triste e desolador é ter alguém perto fisicamente mas a quilómetros de distância de nós”. As razões? São muitas. Ou porque não há entendimento, ou porque os objetivos e os interesses são diferentes ou porque o caminho torna-se naturalmente diferente. Um lugar-comum….

 

Não tendo particular interesse nesta abordagem, talvez seja mais oportuno lembrar algo que é ESSENCIAL numa relação próxima e de cumplicidade. O abraço. O toque. Algo que não é possível dar quando há distância física e é MUITO difícil dar quando há distância mental. O toque apresenta, no entanto, um sem número de benefícios. Salvaguardando as diferenças culturais, o toque em geral, e o abraço em particular, pode afetar positivamente o corpo, a mente e o espírito de outro ser humano. Embora tenha sido demonstrado que as diversas formas de toque expressivo fornecem benefício em geral e que o toque terapêutico, por exemplo o usado no Reiki, acalma o corpo, mente e espírito, pode acontecer que, quando entramos no espaço pessoal de outro ser humano de uma forma verdadeiramente solidária, com a intenção de ajudar, todas as formas de toque expressivo têm o efeito do toque terapêutico. Se a energia segue o pensamento, então todo o toque intencional vai trazer vantagens.

O toque apresenta um papel vital desde o útero até à velhice. A pele, o maior órgão do corpo humano, tem um papel preponderante no desenvolvimento e manutenção da própria vida. A sensibilidade táctil parece ser um dos primeiros sentidos a surgir.

Sabemos que o toque, seja através da pele, língua, lábios ou mãos, tem uma representação enorme a nível cerebral.

Durante os séculos dezanove e vinte, os orfanatos apresentavam uma taxa de mortalidade muito elevada porque as crianças lá acolhidas não tinham o essencial, o carinho transportado pelo colo, pela carícia, pelo abraço, pelo toque. René Spitz (1887-1974) demonstrou isso através do seu interesse particular no desenvolvimento das crianças e do foco dos seus estudos. A carência emocional parece poder evoluir para depressão, redução da mobilidade, insónia, marasmo e morte.

O toque reflete e vai de encontro às necessidades físicas e psicológicas. Estabelece equilíbrio emocional. Uma sensação de calma e preenchimento, de segurança e felicidade. Pode superar inseguranças, tristeza e até, em certa medida, a própria doença. E sabemos que em estado de doença a necessidade de atenção e contacto físico pode ser maior.

É importante que todos nós tenhamos a noção, a consciência do valor integral do toque expressivo e da importância de encontrar maneiras de incorporar esta modalidade na prática, no nosso contacto diário com os outros, de forma natural, nas nossas relações. Cria empatia e estabelece ligação, reduz drasticamente a distância e promove a proximidade.

 

Em jeito de despedida, sinta-se, respeitosamente e carinhosamente, osculado e abraçado.

 

Ana Teixeira

2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Setembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

  • Paulo Das Neves

    Alucinante e envolvente...muito bom!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde