Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

03
Ago12

Super-homem (Saúde mental – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

Lembremo-nos de um homem com vontade de ser Super-homem, vontade de poder e de autotranscendência. No dia 25 de Agosto fará 112 anos que morreu.

Apologista de viver uma vida sem jugo. Saberá o leitor de que falo. Uma vida sem sujeições, sem canga (usada nos bois) nos nossos pescoços, sem condicionamentos.

 

No sábado passado, por volta das 19 horas, enquanto conduzia em direção a Viana do Castelo, a Zirinha, sentada ao meu lado, desabafa sobre as preocupações por que tem passado com o filho mais novo de 10 anos. O Gonçalo não gosta de se juntar aos colegas da turma, não gosta de almoçar com eles. Prefere almoçar sozinho. Perguntei-lhe se o Gonçalo se sentia triste, infeliz? Não, foi a resposta. Ele diz que não gosta dos temas das conversas dos colegas, só falam de certas partes do corpo das raparigas. Bem, perceberá o leitor que não terão sido estas as palavras que ele usou.

 

A acrescentar a este fato, parece ser que o menino não tem bons resultados às disciplinas que não aprecia e tem melhores às que tem interesse. É claro que a atenção de todos está centrada nos fracos resultados. Um dia foi parar à direção da escola. Contou aos ditos colegas que ia incendiar a casa e matar toda a gente. Grande celeuma! Juntaram-se elementos da direção, a psicóloga da escola, os colegas, todos a tentarem perceber o que estaria por detrás de tal conto. Perante a mãe, ao jantar, referiu que os colegas da turma são todos uns totós porque acreditam em tudo o que lhes é dito, por exemplo na história do incêndio que vira na televisão. Fora um teste. É claro que falhara aqui algo que não vamos dissecar.

 

Depois de várias visitas, durante meses, a duas psicólogas e uma pedopsiquiatra chegaram à conclusão que está tudo bem com o menino, com capacidades de raciocínio acima da média e com algumas dificuldades ao nível da gestão das próprias emoções e das relações sociais. Tem interesses muito particulares e muitos desinteresses. Talvez fosse bom tentar desenvolver no Gonçalo outros gostos, aconselharam. O Gonçalo depois de muitas perguntas ainda percebeu porque teve de ir tantas vezes ao médico. Ele sente-se muito bem. Está feliz! Agora os outros, esses parecem preocupados com a vida e com o comportamento do Gonçalo.

Como estará a saúde mental do Gonçalo? Talvez a pergunta devesse ser: como está a saúde mental do Gonçalo na ótica do conselho pedagógico da escola do Gonçalo?

 

Voltemos agora ao nosso polémico pensador. Em jeito provocatório, coloco a questão: poderemos deixar de lado as convenções sociais e as convicções e a moral?

 

Sabemos que precisamos da ciência e que, felizmente, tem ajudado imensas pessoas, tornando-as funcionais e mais felizes. Sabemos que precisamos de um ponto de partida, uma linha condutora, regras, mas têm de ser rígidas, tem de haver rótulos e verdades absolutas? Faria sentido reavaliar os atuais ideais ou criar novos? Há que compreender e aceitar a diferença e integrar, integrar, e criar novos modelos de, por exemplo, educação, não rotular e forçar a inclusão. Porque tem de ser o Gonçalo a adaptar-se ao modelo? Porque não providenciar um modelo que se adapte à individualidade, à singularidade do menino? Imagine o que sofrerá para terminar o ensino obrigatório.

 

Que opinião teria Friedrich Wilhelm Nietzsche (15.10.1844 – 25.08.1900) da Saúde Mental em Portugal em 2012?

 

Ana Teixeira


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde